Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Artes Plásticas > Paulistas ganham novo Centro Cultural

Paulistas ganham novo Centro Cultural

Artes Plásticas por Betty Silberstein em 2014-09-09 23:42:42

O complexo do Hospital Matarazzo antigo Hospital Umberto Primo, fundado em 1904 - (27.000 metros quadrados abandonados há 20 anos, situado a uma quadra da avenida Paulista) abrigará, a partir do dia 9 de setembro, instalações e performances de mais de cem artistas brasileiros e estrangeiros, frisando a multiplicidade cultural de São Paulo, com obras criadas especificamente para ocupar as salas do hospital.

As obras, que evocam o passado e as memórias da “Cidade Matarazzo”, devem ficar expostas ao público até o final de outubro; depois, vão desaparecer para que essa área viva mais um grande processo de transformação.

Os prédios antigos - edifícios históricos tombados - que ainda ostentam as marcas do tempo e do descaso, ganham energia e vitalidade com a chegada da arte contemporânea, proporcionando um novo olhar sobre um lugar que parecia esquecido, coberto pelo mofo e pelo pó.

Vik Muniz, Adriana Varejão, Tunga, Henrique Oliveira, Iran do Espírito Santo, Nuno Ramos e outros grandes nomes da cena artística contemporânea brasileira estarão presentes, dando vida aos pavilhões, corredores e jardins. Eles dividirão espaço com artistas internacionais, como o grafiteiro americano Kenny Scharf, o norueguês Per Barclay, o francês Adel Abdessemed, a francesa Joana Vasconcelos, que mora em Portugal. A seleção foi feita pelo curador francês Marc Pottier, autor de um livro com o mesmo nome da exposição, que foi lançado no dia de abertura.

A grande exposição “Made by... Feito por brasileiros\" é o primeiro passo de um ambicioso projeto para o local abandonado.

Por trás da iniciativa está o empresário francês Alexandre Allard, que afirma querer criar um marco cultural e turístico na cidade. Se sua ambição se concretizar, a cidade ganhará um importante palco para a Arte Brasileira. Será, também, um exemplo de como aproveitar comercialmente prédios tombados sem desrespeitar a história. “Do ponto de vista da arquitetura, o lugar mostra de onde a cidade veio”, diz Allard. “Espero que ele também mostre para onde a cidade vai.” 

Ele comprou o imóvel em 2011 por R$ 117 milhões. Até 2018, o conjunto de prédios deverá abrigar um Polo de Arte, Moda e Produção Cultural com cinemas, teatros, um hotel de luxo, 18 bares e restaurantes e um Parque.

Dois renomados arquitetos franceses se envolverão no empreendimento. Jean Nouvel assinará o projeto de uma torre comercial – a única nova construção no local. Philippe Starck supervisionará a restauração das áreas tombadas.

Fico muito contente com a revitalização deste local. Afinal, dentre os 500 mil bebês que nasceram na Maternidade Matarazzo, três são meus filhos!


Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também