Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Literatura > Lançamento do Livro de Poesias “Abraçar uma Estrela" do autor português Adélio Amaro

Lançamento do Livro de Poesias “Abraçar uma Estrela" do autor português Adélio Amaro

Literatura por em 2015-11-25 10:34:11

Adélio Amaro tem a honra de convidar V.Exa. para a apresentação do lançamento do Livro de Poesias “Abraçar uma Estrela”, que será apresentado por António Manuel Ribeiro (vocalista do Grupo UHF) e contará com a presença de Carlos Moisés (vocalista do Grupo Quinta do Bill).

A Cerimônia  será no Auditório da Fundação da Caixa Agrícola, Celeiro da Casa do Terreiro. Largo Cândido Reis, nº 25 – Leiria -  Portugal - dia 29 de novembro às 15:30h.

Momentos musicais com António Manuel Ribeiro (UHF), Nuno Brito e a jovem pianista Inês João (Orfeão de Leiria) e momento de poesia com Zaida Nunes e José Vaz. 

 

Sobre o autor:

Adélio Amaro, nasceu em 1973, em Leiria - Portugal. Fez diversos cursos  e frequentou Design da Comunicação na ESTGAD, Caldas da Rainha, e História de Arte do Século XX, na Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa. Foi Jornalista Profissional (19

96-2005) e director de vários jornais.

É director executivo do jornal Gazeta Lusófona (Suíça) e colabora na imprensa de Portugal, Suíça, França, Canadá, EUA e Brasil.

Tem cerca de 4 mil artigos publicados em mais de 80 jornais e revistas. É fundador e sócio gerente da editora Folheto Edições. Já participou em mais de duas dezenas de congressos e acções de formação, em outros tantos países, na Europa, Ásia e América. Com várias intervenções, palestras, prefácios e apresentações, moderou a apresentação de mais de 300 livros. Fez 14 exposições individuais de pintura e fotografia, em Portugal, Suíça e Japão.

Foi Deputado da Assembleia Municipal de Leiria e presidiu a várias associações. É presidente da Associação de Investigação e Cultura dos Açores/Leiria.

Diversas vezes distinguido onde se destaca: Medalha Prémio Especial pelo Ministério do Ambiente, Lisboa, 1998; Troféu de Cultura do Orfeão de Leiria, 2002; Medalhas e Diplomas Reconhecimento e Honra ao Mérito pelo Museu Maria da Fontinha, Castro Daire, 2004, 2005 e 2007; Diploma e Medalha Austragésilo de Athayde, pela Academia de Letras e Artes de Paranapuã, Rio de Janeiro, Brasil, 2005; Diploma de Honra ao Mérito, do Elos Clube de Leiria, 2007; Grande Colar de Ouro, Diploma Grande Oficial, Comenda das Artes Visuais (2007) e Título Honorífico de Cavaleiro da Ordem (2015) da Associação Brasileira de Desenho; Honra ao Mérito do Elos Clube de Alcanena, 2008; Medalha de Bronze da Cidade de Leiria (2014); Académico Correspondente da Academia de Letras e Artes de Fortaleza, Brasil, 2015; Medalhas e Distinções de outras Autarquias e Instituições com realce para a de Cidadão da Algarvia (Nordeste – Açores), em 2009. Referenciado em vários manuais, é autor de 17 livros e cadernos e coordenador da Antologia de Poetas Lusófonos em 23 países de todos os Continentes, já com sete volumes e mais de 300 poetas.

Autor dos Brasões das Freguesias da Barreira (Leiria) e Algarvia (Açores). Membro de várias Associações e Academias em Portugal, Brasil e Canadá. É um apaixonado por Leiria e Açores tendo feito o levantamento fotográfico e histórico de todas as freguesias de ambas as regiões.


Prefacio…


Olho para o ecrã do computador, paro, as mãos postas vêm aos lábios e sinto-me outra vez um elefante numa loja de porcelanas e cristais, que, por junto, somam mais ruído nos cacos misturados. É assim que me sinto ao relatar, mais que desvendar, os reflexos que guardei deste primeiro voo poético do meu amigo Adélio Amaro. Um prefácio.


Lemos o que podemos e outros saberes se guardam nas mesmas palavras lidas que o autor mantém como seus. E, contudo, arriscamos. Por amizade, por cumplicidade literária, porque o rebuço se vence deixando-o num apeadeiro que desliza para o funil do horizonte. Junto o piano do John Taylor em In Two Minds (1) e segredo a benevolência do Adélio, desde a margem sul do Tejo até Leiria, na tarde escura de um dia curto.


Estou em paz para reflectir as visões, o filme emotivo que enerva os dias do poeta; encontro outro homem, dos silêncios, que observa e se transmuta pelo objecto focado.

Um longo declamatório sem títulos, apenas numeração romana irregular a encabeçar as páginas, como se de um monólogo se tratasse (e não trata?), a confissão marcada no branco mármore da denúncia que é a folha do escritor, páginas seguidas sem rigor matemático: é amor, não é equação. Escutamos.


Para verter em conceitos o íntimo do poema, guardei o bisturi secreto dos que interpretam, esgueirei-me pelo continente que o poeta desenhou, povoou e onde se equilibra/desequilibra, o mar e as estrelas, a noite e o Sol da manhã: sossega em escrita ou herança, revelando a exaltação dos impulsos totalitários, esse amor infinito em cada um de nós e superior nos poetas porque o precipício é apetecível. 


Se não conhecêssemos o autor apostaria que há por aqui um chamamento do mar, reflexo da paixão, manto de amor (isolamento?), mares navegados de confidências escritas: lê-se, na ilha da fantasia; no manto do mar; velejo… nau perdida; a sereia… das ondas; fajãs da ilusão, e o meio do largo Atlântico aproxima-se desta praia. Açores.


Há contemplação de ilha, afastamento, penitência e dor, crispação de amante, o recolhimento que abarca e abraça as estrelas; há o silêncio desses montículos de rocha vulcânica esverdeada que surgem do oceano. Vejo uma encosta de casas desgarradas e o luar a dividir o brilho na janela de um refúgio de cinza esbranquiçada – é noite – no mato enfurecido na noite dos ventos. Descobrimos o poeta e por essa descoberta ficamos à conversa com denúncias do amor e da saudade: mulher, ilha, afastamento, entrega. Ela.


O primeiro sopro da poesia do meu amigo Adélio Amaro. Outro abraço por estas Estrelas, cuja leitura me confiaste.


(1) Edição CAM Jazz, 2015 

Ao sul do Tejo, Novembro de 2015

António Manuel Ribeiro


Fonte - Adélio Amaro

Fotos - Divulgação





Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também