Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Literatura > Salim Miguel (1924 -2016) - Extraordinário da Ficção Brasileira

Salim Miguel (1924 -2016) - Extraordinário da Ficção Brasileira

Literatura por Diego Mendes Sousa em 2016-04-22 21:44:47

A Morte de Salim Miguel (1924-2016)

Salim Miguel marcou a ficção brasileira do século XX

Salim Miguel, figura chave da ficção brasileira, morreu hoje, 22 de abril de 2016, aos 92 anos de idade, em Brasília - DF, onde atualmente residia.

===========

"Comecei a escrever antes de aprender a escrever. Naquela época, fim dos anos 20, começo dos 30, depois das estripulias diárias, a criançada se reunia ora na frente da casa de um, ora na frente da casa de outro, e cada um relatava como é que tinha sido o seu dia. As correrias, as brigas. Hoje, nós brigávamos; amanhã, éramos grandes amigos. Então, eu cortava uma folha de papel-embrulho da loja de meu pai, recortava palavras ou letras, juntava alguns rascunhos meus. Linhas na horizontal, na vertical, em círculos. E lia aquilo pra eles. Lia não, porque eu não sabia ler. Inventava que estava lendo. Ali estava surgindo, ao mesmo tempo, o jornalista e o escritor. Então meu pai, me vendo grudado em tudo que era papel impresso, vendo aqueles signos mágicos me fascinarem, me perguntou: “O que pretendes fazer na vida?”. Sem titubear, respondi: “Ler e escrever”. Minha mãe, que era uma mulher sensível, disse: “Não vai ser fácil”. E meu pai: “Fácil não vai ser, mas se ele persistir, conseguirá”. Então, uma palavra que me acompanha toda a vida é “persistir”."

 

===============
 

 

Escritor Salim Miguel morre em Brasília Charles Guerra/Agencia RBS

"Para falar a verdade, se eu tivesse uma formação acadêmica, gostaria de ter sido crítico e ensaísta. João Cabral dizia a mesma coisa. Mas acho que tive o bom senso de sempre escrever muito e rasgar mais do que publiquei. Rasguei muito mais do que publiquei. Tanto que, para os nossos padrões, pelo menos para os da minha juventude, comecei muito tarde. Passei a infância e a adolescência em Biguaçu — tanto que costumo dizer que sou um líbano-biguaçuense — e só comecei a publicar em Florianópolis. Nos anos 40, a capital catarinense tinha quatro jornais. Hoje, só tem um. (…) Ao mesmo tempo em que eu publicava algumas crônicas nos jornais, já começava a escrever o que chamo de “anotações sobre leituras”. De repente, me disse assim: “Já que estou fazendo crônicas — e a crônica é meio caminho para o conto —, por que não chego ao conto?”. Daí, comecei a publicar contos. Meu primeiro livro é de 1951. Chama-se Velhice e outros contos, pois sempre me preocupou o tema da velhice, da morte, do tempo e da memória. Devo esse livro ao IBGE. Não ganhei dinheiro trabalhando para o senso demográfico de 1950, mas cinco dos oito contos desse livro, inclusive os três VelhiceVelhice 1, Velhice 2 e Velhice 3 —, resultaram de conversas com pessoas que fui recensear."

==============



Bibliografia de Salim Miguel:

 

 - Velhice e outros contos, Ed. Sul, Florianópolis, 1951
- Alguma gente, histórias, Ed.Sul, Florianópolis, 1953
- Rede, romance, ed. Sul, Florianópolis, 1955
- O primeiro gosto, contos, Ed. Movimento, Porto Alegre, 1973
- A morte do tenente e outras mortes, contos, Ed. Antares, RJ, 1979
- A voz submersa, romance, Ed. Global, SP, 1984 
- Dez contos escolhidos, Ed. Horizonte, Brasília, 1985
- O castelo de Frankenstein, anotações sobre autores e livros, Ed. Lunardelli/ UFSC, Florianópolis, 1986
- A vida breve de Sezefredo das Neves, poeta, romance, Ed. Tchê, Porto Alegre, 1987
- As areias do tempo, contos, Ed. Global, SP, 1988
- O castelo de Frankenstein, volume II, Ed. Lunardelli/ UFSC, Florianópolis, 1990
- As várias faces, novela, Ed. Movimento, Porto Alegre, 1994 
- Primeiro de abril, narrativas da cadeia, Ed. José Olympio, Rio de Janeiro, 1994
- As desquitadas de Florianópolis, contos, Ed. Rio Fundo, Rio de Janeiro, 1995
- Onze de Biguaçu mais um, contos, Ed. Insular, Florianópolis, 1997
- Variações sobre o livro, ensaios, EdUFSCar, São Carlos, 1997
- As confissões prematuras, novela, Ed. Letras Contemporâneas, Florianópolis, 1998
- Nur na escuridão, romance, Ed. Topbooks, Rio de Janeiro, 1999
- Apontamentos sobre meu escrever, Ed. Museu/ Arquivo da Poesia Manuscrita, Florianópolis, 2000
- Eu e as Corruíras, crônicas. Ed. Insular, Florianópolis, 2001
- Aproximações: leituras e anotações, anotações sobre livros, Ed. Letras Contemporâneas, Florianópolis, 2002
- Memória de Editor, com Eglê Malheiros, Ed. Memória do Livro, Florianópolis, 2002
- Estrangeiros: releituras, Ed. Letras Contemporâneas, Florianópolis, 2003
- Gente da Terra: perfis, Ed. Lunardelli, Florianópolis, 2004
- Mare Nostrum, romance desmontável, Ed. Record, Rio de Janeiro, 2004
- Cartas D'África e Alguma Poesia, organização, introdução e notas, Ed. ABL/ Topbooks, Rio de Janeiro, 2005
- O sabor da fome, contos. Ed. Record, 2007
- Minhas memórias de escritores. Ed. Unisul Tubarão SC, 2008
- Jornada com Rupert, romance. Ed. Record Rio de Janeiro, 2008
- Os Melhores Contos de Salim Miguel. Global Editora, São Paulo, 2009 

Além desses, Salim Miguel organizou numerosas antologias e participou de outras tantas. 
- Reinvenção da Infância, contos. Ed. Novo Século, São Paulo, 2011
- Fantasia e (é) realidade ou treze textos surreais, contos. Ilustração de Tércio da Gama. Ed. Unisul, Tubarão, 2012
- Nós, romance policial. EdUFSC, Florianópolis, 2015

Para o cinema, fez: 
- Argumento e roteiro do filme O preço da ilusão, com Eglê Malheiros, Florianópolis, 1957-1958
- Adaptação e roteiro de A Cartomante ( conto de Machado de Assis), com Eglê Malheiros e Marcos Farias, Rio de Janeiro, 1973 
- Adaptação e roteiro de Fogo Morto (romance de José Lins do Rêgo), com Eglê Malheiros e Marcos Farias, Rio de Janeiro, 1976

 

===============

NÓS (2015) - última publicação de Salim Miguel

 

=========

Distinções na carreira de Salim Miguel:

 

- Diploma de Personalidade Cultural, da União Brasileira dos Escritores, em 1990
- Prêmio da União Brasileira de Escritores, por seu livro 1º de Abril- Narrativas da cadeia, em 1994
- Prêmio Prensa da Associação Catarinense de Imprensa, em 1996 
- Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) de melhor romance do ano, pelo livro Nur na escuridão, em 1999 
- Prêmio Zaffari & Bourbon de melhor romance brasileiro publicado entre 1999 e 2001, por Nur na Escuridão, em 2001 
- Homenagem da Fundação Catarinense de Cultura, com o livro Salim na Claridade - 24 depoimentos, obra organizada pelo jornalista e escritor Flávio José Cardoso, em 2001 
- Prêmio Juca Pato 2002, promovido pela União Brasileira de Escritores e pela Folha de São Paulo
-  Título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Santa Catarina, em 2002
-  Prêmio Machado de Assis, que a Academia Brasileira de Letras concede a escritores cuja obra é considerada expoente da literatura nacional, em 2010 
- Lançamento de um concurso que leva o seu nome, premiando um catarinense com a publicação de um romance, inédito, numa promoção da Editora da UFSC, em 2010.

 

========

 

Preferências literárias de Salim Miguel:

 

Livro inesquecível:
São dois: Dom Quixote, de Cervantes, e As mil e uma noites.

 

Trecho inesquecível:
" Como é que isso vive em tua memória? O que vês mais, no escuro do passado e no abismo do tempo? Se consegues lembrar-te de algo acontecido antes, também podes lembrar-te de como para cá vieste", de Shakespeare. 

 

Livro mais perturbador:
Ulisses, de James Joyce, lido quando eu tinha 24 anos de idade.

  

Livro que gostaria de ter escrito:
Pedro Páramo, de Juan Rulfo, ou A consciência de Zeno, de Ítalo Svevo. 

 

Personagem que gostaria de ter criado:
Hans Castorp, de A montanha mágica, de Thomas Mann.

  

Maior livro da literatura brasileira:
Dom Casmurro, de Machado de Assis. 

 

Maior escritor da literatura brasileira:
Machado de Assis, seguido de Lima Barreto e Graciliano Ramos.

  

Livro que você mais relê:
Entre outros, os desses autores citados acima. 

 

Livro mais superestimado que você conhece:
Orlando, de Virginia Woolf.  

 

Livro mais subestimado que você conhece:
Os sete mistérios da casa queimada, do nosso Guido Wilmar Sassi.

  

Livro que merece ser adaptado para o cinema:
Difícil de responder, um mau livro pode dar um excelente filme, e um excelente livro, um péssimo filme; são dois diferentes meios de expressão.

  

Livro que foi adaptado para o cinema e o resultado foi frustrante:
Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa.  

 

Livro que você daria de presente:
Depende da pessoa. Para Eglê, os poemas de Florbela Espanca.  

 

Livro que você gostaria de ganhar:
Arriscaria um inédito de Fernando Pessoa, aí incluídos seus heterônimos. 

 

Livro que você procura e nunca encontrou:
Um policial de agora, com a categoria de um Hammet ou Chandler.

  

Maior mérito de um escritor:
Compromisso com a vida e olhos atentos para seu tempo, tão complexo e tão injusto.  

 

Um grande livro de um grande escritor:
É maldade perguntar isso, cito e logo me questiono, por que não outro? O vermelho e o negro, de Sthendal; Crime e castigo, de Dostoievski; e onde ficam os contos de Tchekov e Os ratos, de Dyonélio Machado? Por que não Cruz e Sousa, Carlos Drummond de Andrade ou Federico Garcia Lorca? Ah, sim, quais retirar para incluir O castelo, de Franz Kafka, e Sobre heróis e tumbas, de Ernesto Sábato? 

 

Um grande livro de um autor pouco conhecido:
Berlin-Alexanderplatz, de Alfred Döblin. 

 

Livro do qual você esperava gostar e que o decepcionou:
Um homem sem qualidades, de Robert Musil.  

 

Livro do qual você não esperava nada e o surpreendeu:
Coração, solitário caçador, de Carson McCullers.

 

 

==============

Depoimentos de Salim Miguel

Minuta de Diego Mendes Sousa

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também