Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Eventos > MÚSICO ARNALDO DIAS BAPTISTA, EX MUTANTE, É HOMENAGEADO NA CAIXA CULTURAL SÃO PAULO

MÚSICO ARNALDO DIAS BAPTISTA, EX MUTANTE, É HOMENAGEADO NA CAIXA CULTURAL SÃO PAULO

Eventos por Sandra Hasmann em 2016-05-04 17:00:37
Detalhes
Arnaldo Dias Baptista recebe uma homenagem institucional que abrange diversos repertórios do seu vasto espectro criativo. A curadoria explora aspectos plásticos da trajetória do artista com uma seleção criteriosa de obras e objetos. São desenhos, pinturas, colagens, material documental, além de roupas, convites de shows, fotografias e estações sonoras com os discos solos do artista. Grátis 

Abertura 14 de maio às 11 horas.
De 14 de maio a 17 de julho (terça a domingo), das 9h às 19h. Entrada Franca. Classificação: livre.
Caixa Cultural São Paulo, Praça da Sé, 111. 


 Informações gerais:



Mostra individual “Transmigração” reúne pinturas, desenhos e objetos, ambientados pela trilha sonora do artista

A CAIXA Cultural São Paulo inaugura no dia 14 de maio, sábado, às 11 horas, a mostra individual “Transmigração”. Idealizada pela Frida Projetos Culturais e com curadoria de Márcio Harum, o projeto reúne ineditamente desenhos, pinturas, colagens, material documental e objetos do multiartista Arnaldo Dias Baptista. 

Depois de duas exposições individuais em São Paulo, “Lentes Magnéticas” (2012) e “Exorealismo” (2014), o ex-mutante Arnaldo Dias Baptista recebe uma homenagem institucional que abrange diversos repertórios do seu vasto espectro criativo. A curadoria explora aspectos plásticos da trajetória do artista para muito além daquilo que os fãs do músico conhecem. Para tanto, uma seleção criteriosa de obras e objetos é ambientada em uma expografia que assimila e dialoga com o conjunto exposto, criando uma atmosfera sideral e imersiva, bem ao gosto do multiartista, radicado em Juiz de Fora – MG.

O título “Transmigração”, sugerido por Arnaldo, é uma homenagem a uma composição de sua mãe, a pianista erudita Clarisse Leite Dias Baptista. Como num renascimento em vida, para o curador, esta mostra tem o mérito de “apresentar o resultado de uma investigação em torno do desenvolvimento da linguagem poética, colocando lado a lado aquilo que o mercado e a crítica de arte separaram, congelando a produção de um artista cuja música invade a produção plástica e vice-versa”, reflete Márcio Harum.

Tomando esse partido curatorial, Harum reúne na mesma sala, jaquetas vintage, cadernos antigos repletos de fórmulas de física quântica, contos e experimentações de diferentes famílias tipográficas originais, convites de shows, camisetas, cartões-postais cheios de glitter, desenhos da viagem de motocicleta, das famosas guitarras Gibson, fotografias de acervo e uma série fotográfica de Leila Lisboa Sznelwar, feita nos anos 1970, ainda inédita num espaço público. Estações sonoras com os discos solo de Arnaldo e um canal de vídeo em loop completam a curadoria, atestando que a música e as artes visuais de Arnaldo Baptista se retroalimentam.

Na abertura da mostra, 14 de maio, às 11h30, o curador conduz visita guiada pela exposição, destacando as principais obras e aspectos relevantes de sua curadoria. No dia 18 de junho (sábado), às 15 horas, a Caixa Cultural lança o catálogo da mostra e promove nova visita guiada. No mesmo dia, às 15h30, o público é convidado a participar de uma mesa-redonda com o curador e as galeristas Flaviana Bernardo e Juliana Freire, da Galeria Emma Thomas.

Arnaldo Dias Baptista

Nasce em 1948, em São Paulo, filho de mãe pianista - compositora Clarisse Leite Dias Baptista - e pai poeta e jornalista - César Dias Baptista. Foi fundador de Os Mutantes, que fez parte do Tropicalismo. A formação original, de 1968 a 1972, em São Paulo, trazia Arnaldo Baptista (baixo, teclado e vocais), Rita Lee (vocais) e Sérgio Dias (guitarra e vocais). Posteriormente, também participaram da banda Liminha (baixo) e Dinho Leme (bateria). A partir de 1982, passa a dedicar-se com mais afinco às artes visuais. Desde esse período, participa de algumas exposições de arte e projetos musicais como a coletiva “Give Peace a Chance” (2001), em homenagem a John Lennon. Em 1987, lança o álbum cult “Disco Voador”, resultado dos rascunhos musicais deste período. Em 2004, é a vez de “Let it Bed”, produzido por John Ulhoa e listado pela revista inglesa Mojo entre os dez melhores lançamentos do ano. Entre 2006/07, participa da reunião de Os Mutantes, em Londres, em evento dedicado à Tropicália. Toca e canta em turnê pela Europa, Estados Unidos e Brasil em shows para até 80 mil pessoas. Em 2007, retoma sua carreira solo.

A vida e obra de Arnaldo Baptista são relatados no documentário “Loki! Arnaldo Baptista” (2008), com produção do Canal Brasil e direção Paulo Henrique Fontenelle, que recebeu 14 prêmios no Brasil e no exterior. Neste mesmo ano, a editora Rocco lança o romance “Rebelde Entre os Rebeldes”, escrito na década de 1980. Em 2012 e 2014, realiza exposições individuais na Galeria Emma Thomas, em São Paulo. Suas telas e desenhos servem de vídeo-cenário para os shows de “Sarau o Benedito?”, que vem circulando desde 2011 por importantes palcos e eventos no Brasil, incluindo a Virada Cultural no Theatro Municipal de São Paulo, MIMO/Teatro de Santa Isabel e o circuito Sesc São Paulo e interior de música.

Em 2015, com alguns dos álbuns há mais de 30 anos fora de catálogo no formato físico, chega às principais lojas físicas e virtuais do país a caixa com a obra solo, com os antológicos álbuns “Loki?” (1974), “Singin’ Alone” (1981), “Let It Bed” (2004) e os dois de Arnaldo Baptista & A Patrulha do Espaço: “Elo Perdido +” (1988), com cinco faixas bônus, e “Faremos Uma Noitada Excelente” (1988) em versão ao vivo.


Marcio Harum

É curador de artes visuais do Centro Cultural São Paulo. Em 2015, curou as mostras individuais "Bambaísmo" de Daniel Barclay na Sala Miró Quesada, em Lima (Peru) e "Estados ordinários da consciência" de Michel Zózimo no Santander Cultural de Porto Alegre. Integrou em 2014 a seção curatorial #SoloProjects Focus Latinoamérica da ARCOmadrid, e realizou também a mostra "Zona de Tensão" na 31ª Bienal de São Paulo, com projetos inéditos do artista Hudinilson Jr e a mostra individual “Exorealismo” de Arnaldo Dias Baptista na Galeria Emma Thomas. Participa da comissão nacional da 5ª edição do Prêmio CNI- SESI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas. É um dos fundadores do espaço independente CHÃO em São Luís do Maranhão. Vive em São Paulo.


Serviço:

Exposição “Transmigração”, individual de Arnaldo Dias Baptista
Local: CAIXA Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111 – Centro)
Abertura e visita guiada com o curador Marcio Harum: 14 de maio de 2016 (sábado), às 11h
Visitação: 14 de maio de 2016 a 17 de julho de 2016 (terça-feira a domingo) 
Horário: 9h às 19h
Informações: (11) 3321-4400 
Classificação indicativa: Livre 
Entrada franca
Acesso para pessoas com deficiência
Patrocínio: Caixa Econômica Federal


Programação extra:

Dia 18 de junho de 2016 (sábado)
Lançamento de catálogo e visita guiada com o curador, às 15h
Mesa-redonda com o curador Márcio Harum e as galeristas Flaviana Bernardo e Juliana Freire, às 15h30

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também