Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Eventos > Manoel de Barros o fazedor de amanhecer palestra de Márcia Pessanha na ANL. Confira.

Manoel de Barros o fazedor de amanhecer palestra de Márcia Pessanha na ANL. Confira.

Eventos por Alberto Araújo em 2016-07-04 12:48:27

O centenário de nascimento de MANOEL DE BARROS, em 2016, é marcado por inúmeras homenagens. A Academia Niteroiense de Letras, entidade com presença marcante nas atividades culturais e literárias de nossa cidade, em seu quadro SESSÃO ALUSIVA, realizou no dia 22 de junho (quarta-feira), em sua sede na Rua Visconde do Uruguai, 456 - Centro de Niterói - RJ, a conferência/homenagem: MANOEL DE BARROS O FAZEDOR DE AMANHECER.

 
O Tributo a esse que é considerado um dos maiores poetas brasileiro, ficou a cargo da acadêmica e presidente da Casa Horácio Pacheco, Márcia Maria de Jesus Pessanha, que pronunciou expressiva alocução, abordando o tema acima citado.
 
O renomado poeta Manoel de Barros cuja obra impressiona o leitor porque, como dizem os críticos, os poemas de Barros ficarão mais atuais na medida em que o tempo passar. Pois, os seus textos elucidam, com visão aguda e de forma elaborada, os vários aspectos: o cotidiano e a vida de animais regionalistas.
 
Um dos mais aclamados poetas contemporâneos brasileiros. Nascido em Cuiabá em 1916, Manoel de Barros estreou em 1937 com o livro Poemas Concebidos sem Pecado. Sua obra mais conhecida é o Livro sobre Nada, publicado em 1996. Cronologicamente vinculado à Geração de 45, mas formalmente ao Modernismo brasileiro, Manoel de Barros criou um universo próprio — subvertendo a sintaxe e criando construções que não respeitam as normas da língua padrão —, marcado, sobretudo, por neologismos e sinestesias, sendo, inclusive, comparado a Guimarães Rosa.
 
Em 1986, o poeta Carlos Drummond de Andrade declarou que Manoel de Barros era o maior poeta brasileiro vivo. Antonio Houaiss, um dos mais importantes filólogos e críticos brasileiros escreveu: “A poesia de Manoel de Barros é de uma enorme racionalidade. Suas visões, oníricas num primeiro instante, logo se revelam muito reais, sem fugir a um substrato ético muito profundo. Tenho por sua obra a mais alta admiração e amor”.
 
Seus contemporâneos admitiram o talento do autor, que foi dos mais respeitados na sociedade brasileira letrada do fim do século XX.
 
Foi uma tarde/noite memorável no último dia 22 de junho, onde a Casa de Horácio Pacheco deu mais uma vez a demonstração da sua importância para  cultura e literatura da cidade de Niterói, quando trouxe para ilustrar as suas páginas a conferência Manoel de Barros - O Fazedor de Amanhecer proferida brilhantemente pela professora e acadêmica Márcia Maria de Jesus Pessanha.
 
Esta revista cultural esteve presente e trouxe para você as imagens e o vídeo, clique no link do Canal You Tube do Focus Portal Cultural.


 



 
 

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também