Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Cultura > ROFA entrevista: a escritora JULIANE RODRIGUES

ROFA entrevista: a escritora JULIANE RODRIGUES

Cultura por Rogério Araujo (ROFA) em 2016-07-24 17:38:36

                

A coluna Cultura em Foco tem a honra de ter como convidada para a nossa entrevista, uma escritora na nova geração.

 

Juliane Rodrigues é natural da bela cidade de Trajano de Morais, localizada no interior do Estado do Rio de Janeiro. Graduada e pós-graduanda em administração de empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), ela surpreendeu a todos ao longe de sua área de formação, destaca-se como autora.

Juliane sagrou-se romancista em 2014 como a obra Salvos pelo Amor. E a partir dos depoimentos e relatos dos leitores do livro, enviados a ela, ficou claro que a leitura trazia uma reflexão sobre o amor capaz de fazer bem e estimular boas ações. Assim entendendo, a autora idealizou o Movimento Salvos pelo Amor.

Em 2015 a autora lançou o livro infantil “O Grande Tesouro e os Pequenos Perdidos”, o primeiro de uma série e que apresenta a Turminha da Tia Juju.


1) Neste seu segundo livro infantil, você pretende levar alguma mensagem especial às crianças com “Ser diferente é normal”?

Sim. Com a chegada de um bebezinho, a turma da Tia Juju não sabe bem se será legal ter um serzinho tão pequeno, ou seja, tão diferente por perto. A mensagem trata justamente esta questão. Mostra que as pessoas não têm que ser iguais a você, para que você as ame. E quem melhor do que as crianças para entender isso e ensinar ao mundo que queremos ter?

2) É verdade que a verba arrecadada com a venda desse livro será destinada a uma instituição de caridade? Que linda atitude mesmo em meio à crise...

Isso mesmo! Com o lançamento do primeiro livro, “Salvos pelo Amor”, uma rede de pessoas “salvas pelo amor”, se formou ao meu redor e nasceu o Movimento Salvos pelo Amor. O movimento já existe há um ano e meio, e essencialmente levamos o amor de Deus às crianças e adolescentes de duas instituições de apoio aos menores na cidade de São Gonçalo. Lá realizamos festas de aniversário para elas e nos envolvemos, cuidamos, aconselhamos e mostramos o quanto são amáveis e importantes para nós.

Todas as vezes que vamos até o Adonai ou ao CAC, é como se trocássemos algo com as crianças. Há em nós um desejo de vê-los crescer em bom caminho e com tudo que merecem. E elas merecem muito mais do que podemos fazer por elas. Não dá para fazer tudo, mas se cada um fizer um pouquinho...

Faremos a aquisição de um playground para as crianças do Lar Adonai com a renda arrecadado com à venda do próximo livro da série da Turma da Tia Juju.

E todos que adquirirem o livro, “Ser diferente é Legal”, estão fazendo algo pelas crianças do Lar Adonai também. Estou feliz e confiante, mas estamos falando de mil livros que estou doando e que só serão significativos para as crianças, se vendidos. Para isso, conto com a ajuda de todos.

3) Você criou e virou personagem na série “As aventuras da Tia Juju”. Como teve essa ideia?

Eu sou uma Tia com “T” maiúsculo, sabe? Eu acho que tudo isso aconteceu simplesmente porque me vi contando as historinhas para as crianças. Consegui me imaginar mais pertinho delas.

4) Como foi a mudança, de um romance para o mundo infantil que é totalmente diferente tanto de público quanto de maneira de escrever?

Sim. Muito diferente. Na verdade, nada foi proposital. Eu já havia dito que lançaria um livro por ano, mas 2015 foi um ano difícil para mim e minha família. Mas a Bienal era em casa, aqui no Rio, e daí eu só adaptei as peças infantis que eu já havia escrito para livros e lancei o primeiro livro da série da Turma da Tia Juju, O grande Tesouro e os Pequenos Perdidos. E isso foi incrível!

Eu me comunico melhor com o público adulto pelas redes sociais e com o infantil presencialmente, nos eventos literários. E estes, hoje, são mais bonitos com os abraços que recebo das crianças. Quando eu conto que sou a Tia Juju e elas me veem no livro, os olhos delas se iluminam, viro uma heroína, sabe? Elas reconhecem a minha pintinha no rosto. Amo muito tudo isso.

5) A sua carreira de escritora é bem agitada com 3 livros já publicados e visitas a escolas e feiras. O que diz sobre a carreira da escritora Juliane Rodrigues?

Ao longo desses dois últimos anos fiz muitos amigos, pessoas que são fãs do meu trabalho literário, mas que para mim são tão queridos como se fossem da minha família. E por mais que conciliar a carreira de escritora, a de administradora de empresa, seja uma loucura, eu tenho muito prazer em tudo que faço. Neste ano o mês de abril foi marcado por muitos eventos literários e em diferentes Estados. Fiquei muito cansada, mas não me vejo mais longe de tudo isso. O mundo literário é mágico para mim e sucesso em minha carreira é poder ter o retorno do meu trabalho. É ouvir as pessoas me contarem sobre como os meus livros fazem parte da vida delas.

6) Qual mensagem deixaria para o seu público, onde encontrar e os contatos para adquirir seus livros...

Ao meu público eu só tenho que agradecer. Não sei como explicar como a minha vida mudou depois do lançamento de “Salvos pelo Amor”, um romance que trouxe mais amor para minha vida.

Aos que ainda não conhecem minhas obras liberarias, deixo o meu site para que descubram mais sobre o Movimento Salvos pelo Amor e para que possam adquirir os livros.

Rogério foi um receber o convite para estar aqui na sua coluna. Obrigada pelo carinho!


Contatos com a escritora Juliane Rodrigues:

www.salvospeloamor.com.br

Assessoria das letras: 21 3707-7896

No próximo dia 30 de julho será o lançamento de seu novo livro infantil "Ser diferente é normal", na RiHappy do Partage Shopping, em São Gonçalo, RJ, mas o livrinho já pode ser adquirido na pré-venda pelo site.

 




Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também