Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Literatura > Projeto “Cento e Noventa Poemas para Maria Firmina dos Reis”

Projeto “Cento e Noventa Poemas para Maria Firmina dos Reis”

Literatura por em 2014-10-27 22:45:27

APRESENTAÇÃO

O presente Projeto objetiva, em termos gerais, prestar uma homenagem, em 2015, à Maria Firmina dos Reis (1825-1817), Patrona da Academia Ludovicense de Letras, ano em que completará cento e noventa anos de nascimento.

A exemplo dos “Mil poemas para Gonçalves Dias”, a proposta expressa o objetivo de divulgar a vida e a obra de grandes nomes nacionais, em especial maranhenses, para além das fronteiras continentais, ratificando a importância de, pela literatura e por trabalhos científicos engajados politicamente, contribuir para a disseminação e adoção de estratégias que resultem na mudança social, na direção de modelos de sociedades mais equânimes.

Por outro lado tal proposta reafirma que esta Academia deve primar pela consecução da sua finalidade, constante no seu Estatuto, qual seja:

 [...] o desenvolvimento e a difusão da cultura e da literatura ludovicense, a defesa das tradições literárias do Maranhão e, particularmente, de São Luís, a perpétua renovação e revitalização do legado da Atenas Brasileira, o culto às origens da cidade e à sua formação pelas letras, a valorização do vernáculo e o intercâmbio com os centros de atividades culturais do Maranhão, do Brasil e do exterior.

E acrescento: sem distinção de gênero, credo, raça, religião, condições econômicas, ou outra qualquer que possa segregar cidadãos, pessoas, para que não se repitam injustiças na nossa história cultural (ADLER, 2014, p. 19).

Assim, será deflagrada uma convocatória aos poetas locais, aos de outros Estados do Brasil e também aos do estrangeiro, para prestarem as suas homenagens à Maria Firmina dos Reis, através de poesias, assim como de estudos e pesquisas sobre sua vida e a sua obra. 

Outra intenção deste Projeto é possibilitar a todos aqueles que desejam iniciar ou continuar a trilhar os caminhos das letras que o façam nesta oportunidade, já que a participação é aberta a todos, desde escritores, poetas, pesquisadores, professores e estudantes dos vários graus de ensino, a partir do ensino fundamental.

Assim, espera-se contribuir para o fomento da cultura da nossa cidade, do nosso Estado e do nosso Brasil, ao mesmo tempo, com a projeção da nossa cultura e feitos, que são muitos, no exterior.

Afinal, a Academia Ludovicense de Letras é a academia de uma capital - ilha, fundada por franceses, que é objeto de um dos primeiros escritos sobre o Brasil, lançado na França, em 1614, intitulado História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão e Terras Circunvizinhas, de autoria de Claude D’Abbeville, capuchinho francês, que, em 1612, participou da invasão francesa ao Maranhão, sendo um dos Patronos desta Casa, da Cadeira de número 01. Convém registrar ainda que Abbeville era um apaixonado pelas terras do Maranhão e expressa esse amor nos relatos poéticos e lúcidos engendrados com arguta percepção e muita sensibilidade.

Outro dado digno de realce é que a ilha, além de ser presenteada com essa primeira publicação de um estrangeiro, gerou filhos ilustres no cenário da cultura brasileira, com projeção no exterior e, por isso, entre os seus títulos foi contemplada com o de A Athenas Brasileira, o que muito honra os ludovicenses e os move na busca da sustentação desse título.

No que diz respeito ao quantitativo de poesias, este foi definido a partir dos anos de vida da autora a serem comemorados, uma poesia para cada ano. Serão aceitos os poemas até completarem, por ordem de chegada, os 190 poemas.

Este Projeto será oficialmente lançado dentro da programação do aniversário de 189 anos de Maria Firmina, em São Luís dia, 11/10/2014, e em Guimarães, dia 12/10/2014 e as antologias serão lançadas no aniversário de 190 nas duas cidades em 2015.

Desse modo, com este Projeto objetiva-se também honrar a memória da grande escritora maranhense, como prova do reconhecimento do seu grande trabalho literário, de cunho político muito forte e singular, já que viveu nos últimos dias da escravidão e realçava sempre em suas obras a humanidade do negro, do índio e da mulher, que, à época, eram considerados e tratados como seres inferiores.

Não se pode deixar de enfatizar que,

a despeito de todas as condições e características adversas: mulata, pobre, bastarda, mulher, tudo isso em um Brasil escravocrata no século XIX, ainda assim, com os mais louváveis méritos, Maria Firmina dos Reis se estabelece, reconhecidamente hoje, como uma das escritoras mais admiráveis de toda a literatura brasileira... A justiça está sendo feita! (ADLER, 2014, p.6).

Ainda é importante considerar que os trabalhos intelectuais elaborados a cada momento da história social são submetidos à avaliação de uma pequena elite que é detentora do poder da aclamação ou refutação a esses trabalhos. Pois, como assevera Cruz (2006, apud Adler, 2014, p.6):

Venho também insistindo que já é hora de abandonar essa mania de seguir a mesma trilha, de repetição, louvação e imitação, concordando mais uma vez com Zuleide Duarte quando ela cita Robert Frost: “Quem anda sempre pelo mesmo caminho nunca vai saber o que há nas outras estradas e isto faz toda a diferença”.

Assim, este momento de Maria Firmina dá-se graças a Nascimento de Morais Filho, que não segue as mesmas trilhas, segundo Cruz (2006 apud Adler, 2014, p.6):

[...] Não fosse José Nascimento Morais Filho, o nosso Zé Morais, este contumaz andarilho de trilhas nunca antes percorridas, Maria Firmina dos Reis não teria vindo à luz. 

Ou seja, com este Projeto pretende-se dar continuidade ao trabalho de Nascimento de Morais Filho e Horácio Almeida, com a certeza da premente necessidade de propiciar a navegação por nova rotas e com navegadores de outros oceanos.

OBJETIVOS                  

- Conhecer a vida e a obra de Maria Firmina dos Reis e reconhecer a importância das motivações que caracterizam a sua obra, tais como o romantismo, o nacionalismo e dentro destes a valorização dos povos que iniciaram a história do nosso país.

- Apreender a importância do conhecimento e divulgação da vida e obra dos grandes nomes nacionais, entre eles, o de Maria Firmina, que por algum tempo não teve o reconhecimento merecido da sua obra.

- Compreender a urgência de otimização do potencial criador da criança e do adolescente e o papel de mediação das Academias de Letras, num trabalho conjunto com a escola nessa perspectiva.

ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS:

Lançar o Projeto no aniversário de 189 anos, em 11 e 12 de outubro de 2014 em São Luis e em Guimarães respectivamente.

Divulgar o Projeto por todos os canais de comunicação locais, de outros Estados do Brasil e do Estrangeiro, em universidades e escolas, incentivando a participação de estudantes do Ensino Fundamental ao universitário.

Coletar o material e organizar o projeto gráfico.

Lançar as antologias, no aniversário de cento e noventa anos de nascimento de Maria Firmina dos Reis, em 11 e 12 de outubro de 2015 em São Luis e em Guimarães respectivamente.

PERÍODO: de 11de outubro de 2014 a 11/06 de 2015.

ENTIDADES E ÓRGÃOS ENVOLVIDOS:

Academmia ludovicense de Letras-ALL, Academia Vimarense de Letras-AVM, Federação das Academias de Letras do Maranhão-FALMA, Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão-IHGM, Instituto Histórico e Geográfico de Guimarães-IHGG, Academia Caxiense de Letras, Sociedade de Cultura Latina do Brasil-SCLB, Cercle Universel des Ambassadeurs de la Paix suisse / France - Delegação do Maranhão e Liceo Poético de Benidorm-Espanha - Delegação do Maranhão.

NORMAS DOS TRABALHOS

a) ANTOLOGIA “CENTO E NOVENTA POEMAS PARA MARIA FIRMINA DOS REIS”

 - Cada Poeta poderá apresentar até cinco (cinco) poemas em homenagem à Maria Firmina dos Reis. Formato A4, Times New Roman, tamanho 12, espaço 1, e enviar, adjunto, currículo literário resumido (no máximo seis linhas), em que conste data de nascimento, cidade e país de origem; e-mail, com foto atualizada,

- A aceitação dar-se-á na ordem de recebimento da (s) obra(s), até completar os 190 (cento e noventa) poemas.

Envio de Poesias para: dilercy@hotmail.com

b) ESTUDOS E PESQUISAS: “SOBRE MARIA FIRMINA DOS REIS”

- Cada autor ou coautor poderá enviar até dois (02) textos, com, no máximo, 10 (dez) páginas, formato A4, Times New Roman, tamanho 12, espaço 1, incluindo bibliografia e fotos.

- Ao enviar sua obra, esta deverá vir acompanhada de pequena bio-bliografia, com foto atualizada e e-mail, cidade e país de origem.

- A aceitação se dará na ordem de recebimento da (s) obra(s) até completar 300 páginas.

Envio de Trabalhos para: vazleopoldo@hotmail.com

CUSTOS: As antologias adotarão o sistema consorciado, na qual os custos serão rateados entre autores que receberão em livros os valores pagos.

REFERÊNCIAS:

ADLER, Dilercy Aragão. Elogio à patrona Maria Firmina dos Reis: ontem uma maranhense; hoje, uma missão de amor! São Luís: ALL, 2014.

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também