Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Artes Plásticas > Centro Cultural Abrigo de Bondes recebe a Exposição "Vultos do não se pode", de Alessandra Cunha.

Centro Cultural Abrigo de Bondes recebe a Exposição "Vultos do não se pode", de Alessandra Cunha.

Artes Plásticas por Alberto Araújo em 2016-10-22 02:30:34

                

Centro Cultural Abrigo de Bondes recebe a Exposição "Vultos do não se pode", de Alessandra Cunha

O Centro Cultural Abrigo de Bondes, abre suas portas para receber a exposição "Vultos do não se pode", da artista plástica mineira Alessandra Cunha (Ropre). A mostra pode ser visitada até o dia 30 de novembro de 2016. A entrada é gratuita.

Para compor as obras que serão exibidas, a artista se inspirou na lendária figura "Não se Pode" – que saía todas as madrugadas pelas ruas de Teresina, capital do Piauí, em uma época em que as mulheres não saiam sozinhas. Ela conta que conheceu a personagem em uma viagem a trabalho que fez à capital do Piauí.

Reza a lenda que quando via um homem na calçada, "Não se Pode", como ficou conhecida, pedia-lhe um cigarro e acendia se esticando para alcançar o fogo do poste de iluminação pública e se o homem tentasse conversar, a dama saía correndo e gritando: "Não se pode! Não se pode!". Com um toque contemporâneo, Alessandra Cunha busca repensar as repressões que atingem o público feminino e convida as mulheres a refletirem sobre seus reais limites.

Alessandra Cunha, que utiliza o nome artístico Ropre, nasceu no dia 30 de março de 1978, em Uberlândia (MG). Em 2010, graduou-se em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Uberlândia. Desde então, vem formando um amplo currículo de exposições e prêmios em todo o mundo. Em 2012 a artista ganhou o Prêmio Aquisição, na categoria contemporânea do "V Salão de Artes Plásticas de São José do Rio Preto". No ano seguinte, 2013, ganhou medalha de ouro por duas pinturas no "XXXVI Salão de Artes Plásticas Waldemar Belisário", na Vila em Ilhabela (SP).

Em viagem a trabalho, conheci “Não se pode” uma personagem muito presente no imaginário popular da cidade de Teresina, capital do Piauí. Enquanto visitante, pude ouvir várias vezes, de pessoas diferentes, relatos sobre alguém que tinha um parente que em uma noite viu e falou com esta figura lendária. O carinho que todos têm por esta dama comoveu-me provocando uma curiosidade sobre como teria vivido esta mulher, que tinha a mesma idade que tenho agora, mas em um período de domínio machista. E se fosse eu, será que suportaria um ou vários “não se pode!”? E de que forma eu enlouqueceria? O que poderia reduzir um espírito a uma frase tão simples e intrigante? O que uma mulher com idade entre 30 e 40 anos não pode fazer? O que uma mulher não pode fazer durante toda a vida?

Esta história, trouxe comigo, com o objetivo de repensar de forma contemporânea as repressões impregnadas em nossa essência. E até onde podemos ir com elas. Como nos libertar de tantos “não se pode”? Como encontrar o poste de luz para clarear nossa escuridão? Os Vultos de Não se Pode, encontram a luz em uma lamparina urbana, quente com o fogo que se apaga ao amanhecer. Em um contraste onde o escuro pode conter a luz e o dia esconder os desejos contidos em um indivíduo lotado de energia. A luz do poste que sempre aparecia nas histórias, poderia indicar uma fuga de uma vida em que, o “Não se Pode”, era a única possibilidade para o momento de CONTATO com o outro. E o contato também é a palavra chave das gravuras, que surge nesta série, em serigrafias que dão base às pinturas.

A metodologia de criação se inicia com a aplicação de imagens, através de serigrafia, de forma repetitiva sobre o tecido. Imagens de duas fotografias de diferentes fases de minha vida e outra de um edifício da cidade de origem Ouro Preto. Em seguida, são inseridas camadas de tinta acrílica, em pinceladas fragmentadas, gerando uma textura regular rompida por tinta aguada escorrida, tudo em um jogo de contrastes que formam imagens e sombras da personagem lendária.


Alessandra Cunha




EVENTO

Exposição "Vultos do não se pode", de Alessandra Cunha
Visitação:
Até 30 de novembro de 2016
Horário: De segunda a sextas-feiras, das 9h às 18h; Sábados, das 11h às 16h.
Classificação etária: Livre
Centro Cultural Abrigo de Bondes

Rua Marquês do Paraná nº100, Centro, Niterói-RJ
Tel: (21) 2610-8169

 

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também