Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Cultura > Porangatu – Cultura e história pelas ruas da cidade

Porangatu – Cultura e história pelas ruas da cidade

Cultura por Thiago de Menezes em 2017-01-17 17:18:30

Rodando no coração do Brasil, por esse país sem porteiras, vamos descobrir, nos interiores de seus interiores, o charme de Porangatu, que é uma cidade histórica com muitos monumentos e forte influência da cultura popular. Considerado o principal município do norte de Goiás, é cortado pela Rodovia Belém-Brasília (BR-153), um dos mais importantes corredores rodoviários do país, por onde escoa grande parte da produção agrícola e industrial brasileira. É um ponto estratégico para o Norte Goiano.

Uma cidade quente, onde um tupi-guarani batizou o que viu no horizonte: bela paisagem. \"Porangatu\" é um termo de origem tupi que significa \"bonito e bom\", através da junção dos termos porang (\"bonito\") e katu (\"bom\").  Nos caminhos, os turistas ou viajantes, observam aquelas faixas de mata de cerrado ao longo da estrada, em alguns pontos revelando ainda manchas preservadas, que embrenham dentro deles com aquela profusão de sucupiras roxas, ipês amarelos e outras maravilhas da rica flora do Planalto Central.

No século XVIII, com a descoberta de ouro na região, houve a vinda dos bandeirantes, acompanhados de padres que visavam a catequizar os índios. Nesse período, as referências eram a Fazenda Pindobeira, o bandeirante João Leite e a Igreja de Nossa Senhora da Piedade, a padroeira, que encontrou morada no coração devoto daquela gente cuja maioria é católica. A bela Igreja Matriz Nossa Senhora da Piedade impõe-se na paisagem, no centro da praça onde um cruzeiro expõe-se ao infinito do céu e da fé. Também na Praça Velha há um charmoso coreto que pede contemplação do cenário porangatuense, ladeado por frondosas e generosas mangueiras, perto de muitas casas antigas. A cidade preserva seu centro histórico com uma arquitetura colonial da Região dos Descobertos, primeiro núcleo urbano da cidade. Reúnem, em suas ruelas e becos, igrejas e casarios dos séculos 18 e 19.


Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também