Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Cultura > Encontro de Escritores Lusófonos - Museu da Farmácia

Encontro de Escritores Lusófonos - Museu da Farmácia

Cultura por Sandra Hasmann em 2017-03-14 11:38:48


Encontro de Escritores Lusófonos - Museu da Farmácia, em Lisboa - Portugal. 
O evento possui entrada franca.
Participe!

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Fernando Paulo Baptista

In memoriam... A todos se nos impõe um dever intransgredível !... A poderosa energia fraternal que, hoje e aqui, entre nós se gerou impõe o intransgredível dever de continuarmos a acalentar e a fomentar a “ígnea irrupção” do fogo criador que vai transformar-se em irradiação fulgurante e incandescente, em tonificante, estelar e radial vento venturo, polifónica e mestiçadamente semeador e reconfigurador das categorias do Belo e do Bem — τὸ Καλόν τε καὶ Ἀγαθÿν — numa nova “oficina-e-olaria” alimentada por um também novo “paradigma” educacional e formativo de matriz multicultural, intercultural e transculturale, assim, verdadeiramente sin-agógico e sin-antropagógico, em cuja dinâmica de realização concretizadora, tudo se vai principiando e tudo se vai ultimando, para de novo tudo se poder recomeçar diferentemente para melhor, numa caminhada sem fim, em que todos nos vamos sinergicamente criando em cada passo em que se forja cada acto criador... Sempre, porém, no acto visionante e visionário de uma intercambiante “escuta-mirada” corpóreo-espiritualmente hologramática e pléctica do mundo e da vida, em que cada lance ou simples gesto levede, cresça e se eleve, contra-burocraticamente e meta-tecnologicamente, às mais altas dimensões da Poética e da da Estética da Arte, do Humano e do Sagrado, em definitiva e ascensional antropopoiese e na intransferível e cordial “sístole-diástole”, urbi et orbi, duma englobante, sinfónica e realimentadora ágape [ἀγάπη] de pão e de vinho, de sabedoria e virtude, de dignidade e justiça, de paz e amor... No fundo, a esperançosa resposta, local e global, humana e divina, ao mítico desafio de instaurar, na Terra, uma nova «idade do ouro», essa utópica flor azul demandada por todos os cavaleiros do sonho... Mas, para isso, é inadiável travar desde já, e em consonância com Ernesto Sabato (1) o combate decisivo: «recuperar (antes del fin...) quanto de humanidade houvermos perdido»... Visionante e apaixonante mirada que, em sua desassossegada inquietude e seminal insatisfação perfectiva de radicar e cumprir o futuro desde os abismos e funduras do passado e na voragem transiente dum presente que não cessa de mover-se, bem pode estar simbólico-alegoricamente figurada e plasmada na «Fábula de Joan Miró» do imortal, porque sempre activamente justo e belo e amoravelmente fascinante e originante — OCTAVIO PAZ (2): «(...) El azul estaba inmovilizado, nadie lo miraba, nadie lo oía: el rojo era un ciego, el negro un sordomudo. El viento iba y venía preguntando ¿ por donde anda Joan Miró? Estaba aí desde el principio pero el viento no lo veía: inmovilizado entre el azul y el rojo, el negro y el amarillo, Miró era una mirada transparente, una mirada de siete manos. Siete manos en forma de orejas para oír a los siete colores, siete manos en forma de pies para subir los siete escalones del arco íris, siete manos en forma de raíces para estar en todas partes y a la vez en Barcelona. Miró era una mirada de siete manos. Con la primera golpeaba el tambor de la luna, con la segunda sembraba pájaros en el jardín del viento, con la tercera agitaba el cubilete de las constelaciones, con la cuarta escribía la leyenda de los siglos de los caracoles, con la quinta plantaba islas en el pecho del verde, con la sexta hacía una mujer mezclando noche y agua, música y electricidad, con la séptima borraba todo lo que había echo y comenzaba de nuevo. (...)» (Excerto adaptado, retirado do meu: “Polifonia, Poiese e Antropo-Poiese” , Lisboa, Edições Piaget, 2006, pp. 48-49) (1) Ernesto Sabato: Antes del fin, Barcelona, Editorial Seix Barral, 2003, p. 188. (2) Octavio Paz: Lo mejor de Octavio Paz — El fuego de cada día, Barcelona, Seix Barral, 1990, p. 317. Fernando Paulo Baptista

Fernando Paulo Baptista

Evento memorável, com um incomparável poder energizante e eternizante dos Afectos, da Cultura e da Criatividade Artística, com natural destaque para a Criação Poético-Literária, e para a decisiva importância que tem a Língua de Camões e de todos os seus Pares da CPLP e da Diáspora pelas sete partidas do Mundo...

Publicidade

Veja também

Publicidade