Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Geral > Literando no teatro IVANOV (prof.renatabarcellos@gmail.com)

Literando no teatro IVANOV (prof.renatabarcellos@gmail.com)

Geral por Sandra Hasmann em 2017-06-17 19:04:58

LITERANDO NO TEATRO - IVANOV

*Por Renata Barcelos  

 

A peça Ivanov encenada pela primeira vez em 1887 e escrita por Anton Tchekhov trata-se de um drama no qual um homem atormentado não consegue mais se conectar com o mundo à sua volta. Sendo assim, um texto atual por apresentar características como o jogo psicológico oculto nos diálogos, o subtexto rico de significações e as pausas e os vazios inesperados, numa articulação peculiar daquilo que se convencionou chamar de “teatro de atmosfera tchekhoviano”. 


O elenco é constituído por Isio Ghelman, Marcelo Aquino, Marcio Vito, Mario Borges, Mayara Travassos e Sheron Menezes tem atuação exemplar. O enredo envolve, o público mergulha nos conflitos de cada personagem. A peça é longa mais não enfadonha.


 Sheron Menezzes é Anna Petróvna, esposa de Ivanov (Isio Ghelman),  um homem em conflito.  Ela é uma judia que abandonou tudo para casar com ele. Com cinco anos de relacionamento, ela está doente, e ele entra em crise: não se interessa mais por ela, por trabalho, por conseqüência, a crise financeira.  Ele acaba se envolvendo com Sasha (Mayara Travassos) um ano antes do falecimento de Anna por causa da tuberculose. Depois de um ano de viúvo, Ivanov torna-se noivo de Sasha. Com isso, é acusado de ter se relacionado com ela devido à situação financeira da família. Casar-se com ela significaria escapar das dívidas com o dinheiro da sogra. Mas, no fim da peça, no dia do noivado, ele decide romper o relacionamento e, no meio da discussão, Ivanov suicida-se.


 \\\\\\\\\\\\\\\"Ivanov\\\\\\\\\\\\\\\" é a primeira peça do russo Anton Tchecov. Segundo estudos, o autor a escreveu \\\\\\\\\\\\\\\"por acaso\\\\\\\\\\\\\\\" em apenas duas semanas e trata-se de um retrato do estado tchecoviano que o crítico Robert Brustein qualificou de \\\\\\\\\\\\\\\"tedium vitae\\\\\\\\\\\\\\\": personagens degradantes da Rússia do fim de século XIX, envolvidos em relações de interesse, em decadência financeira.

Grande precursor do moderno conto russo, Anton Pavlovich Tchékhov nasceu em Taganróg, Rússia, no ano de 1860. A vida da família do futuro escritor, que possuía 5 irmãos, não foi fácil por causa da situação financeira.


No ano de 1879, Tchékhov chega a Moscou e inicia seus estudos na universidade, cursando Medicina. Neste período, começou a escrever contos e pequenas narrativas para publicações em periódicos com o pseudônimo de Antocha Tchekónte, a fim de ajudar financeiramente os pais e os irmãos. 


Em 1882, Anton Tchekhov conhece Nicolas Leykin, editor da mais famosa revista humorística de São Petersburgo: Oskolki Escrevendo nesta, desenvolve a habilidade da concisão e torna-se  primeiro mestre moderno em prosa e contos.


Os anos de 1883 a 1885 são de várias produções: A Morte de um Oficial do Governo (1883), Gordo e Magro (1883), A Filha de Albion(1883), Camaleão (1884), Ostras (1884), Uma Noite Terrível (1884), Os Malfeitores (1885),A Desventura (1885) e Sargento Prishibeyev (1885) cujos temas predominantes são a  obsequiosidade e submissa tirania dos oficiais do governo, o sofrimento dos pobres, os caprichos e imprevisibilidade dos sentimentos, a ironia, os mal-entendidos, as desilusões e contradições que caracterizam a natureza humana. 


Em meados da década de 1880, aborda temas como a fome em Ostras, o abandono em O Caçador, o remorso em A Desventura.


Em 1888, já consagrou como dramaturgo, inovando a arte teatral, recebeu o prêmio Púchkin de literatura, um dos maiores da época na Rússia, garantindo-lhe reconhecimento e uma boa situação financeira. 


Tuberculoso desde os 26 anos e com a saúde cada vez mais debilitada, se muda para Ialta, na Criméia. No ano de 1904, reside em Badenweiler, Alemanha, onde veio falecer no dia 1º de julho de 1904, aos 44 anos de idade.


O autor deixou escrito um curto trecho autobiográfico que se segue:



“Eu, A. P. Tchékhov, nasci a 17 de janeiro de 1860 em Taganróg. Estudei primeiramente na escola grega da igreja do Czar Constantino e depois no ginásio de Taganróg. Em 1879, ingressei na faculdade de medicina da Universidade de Moscou. Tinha, então, uma ideia muito vaga sobre as faculdades e nem lembro por que motivo escolhi a faculdade de medicina, mas depois não me arrependi dessa escolha. Ainda no primeiro ano, comecei a publicar nas revistas e jornais semanais, e esses trabalhos literários assumiram, já no início da década de 1880, um caráter contínuo e profissional. Em 1888, recebi o prêmio Púchkin. Em 1890, viajei à ilha de Sacalina para, mais tarde, escrever um livro sobre a nossa colônia penal de deportação e trabalhos forçados. Afora relatórios judiciários, pareceres, artigos satíricos, notinhas de jornal, afora tudo o que redigi diariamente para os periódicos e que agora seria difícil encontrar e reunir, escrevi e publiquei mais de trezentas páginas de novelas e contos em meus vinte anos de atividade literária. Também escrevi peças de teatro.”


A peça estreiou dia 13 de maio e fica em cartaz até 18 de junho, no teatro Ipanema, no Rio de Janeiro. Confiram!!!


prof.renatabarcellos@gmail.com

 

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também