Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Literatura > Literando no teatro

Literando no teatro

Literatura por Renata Barcellos em 2017-10-01 19:53:02


 Ontem, dia 30 de setembro, na rua Barão, 1180 - Praça Seca, num Centro cultural, em uma antiga igreja, foi realizado mais uma edição do Sarau Poesia & Arte sob a organização de Leandro Ervilha. Foi um fim de tarde muito agradável, com boas companhias, muita poesia, música, sorteio e, não poderia faltar, a confraternização: um saboroso lanche oferecido.

Leandro Ervilha é embaixador imortal da Academia virtual de Letras, Arte e cultura Embaixada da Poesia e membro da APALA (cadeira 29). É autor do livro Caos urbano. Dentre seus poemas, destaco

Olhos

Teus olhos me perseguem

Fico louco

Apavorado

Desesperado

O seu olhar entra em minha alma

Estou apaixonado...

Como sempre, Leandro Ervilha inova com atrações musicais. Desta vez, foi ao som da Banda DSD, com músicas protesto. E, para encerar o evento, o conjunto Musical Guyna, cantando de clássicos de filmes a Nana Caymmi com a belíssima interpretação de Onde Você Estiver

 

“Onde você estiver não se esqueça de mim

Com quem você estiver não se esqueça de mim

Eu quero apenas estar no seu pensamento

Por um momento pensar que você pensa em mim

Onde você estiver não se esqueça de mim”.

 

Eu e o Lucien Gilbert fomos prestigiar o evento. Lá, ele declamou seu poema A Sereia-Anjo, publicado no jornal Tribuna Liberal de Sumaré/SP, em 28 de setembro. Ele conheceu o projeto Por corações mais humanos, por intermédio da poetisa Lorena Borges. Por coincidência, lá, ontem, teve o prazer de encontrar outra participante: Maria José.  

 

­­­ A sereia-anjo

 

 Hoje eu ouço o macio canto

Da eloquente voz que me fascina

E eu quero que esse despertador de vida

Seja sempre meu matutino manto

 

Sim, é a sereia que me deixa devaneando

E seu toque é diferente da monotonia ríspida

Me percorre com os dedos em calmaria

Pergunto-me se, na verdade, ela não é um anjo

 

Logo percebo: extinguiu-se o pranto

Substituído por nossa voz uníssona

Rindo e ecoando tal qual uma lira

E tudo é mágico, enigmático e arcano

 

Enquanto deleito-me com a sereia-anjo

Um medo começa e ribomba minha espinha:

Minha mente poderia fazer tal armadilha?

Bom, espero não estar, outra vez, sonhando.  Lucien Gilbert

 

Ao final, houve um quiz com perguntas literárias como e sorteio de livros dos poetas presentes, dentre eles o meu Alma dilacerada e exemplares da revista Literarte (organizada por Izabelle Valladares) com um artigo redigido por mim chamado Eu, eles, nós, navegando nas Artes, no qual divulgo alunos e ex-alunos do CECA e do CEJLL/NAVE dedicados ao universo das Artes .

O evento está disponível em http://www.leandroervilha.com.br/ao-vivo

 

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também