Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Literatura > Literando no teatro

Literando no teatro

Literatura por Renata Barcellos em 2017-10-09 10:34:08

As bondosas é uma peça inspirada em As criadas, de Jean Genet (1910-1986), escritor, poeta, dramaturgo francês cuja tese deste texto é a impossibilidade da superação dialética das situações opressivas entre dominador e/dominados – senhor/servo. Com base nisso, o maranhense Ueliton Rocon, redige um texto cômico sobre a história de três carpideiras (atores pernambucanos Gerson Lobo, Angústia; Leandro Mariz, Astúcia; Sidcley Batista, Prudência representando o discurso feminino) em uma noite do velório de uma jovem aristocrata.

Ao longo do espetáculo, elas vão se despindo da função exercida e revelando seus desejos escondidos comparados à fome ao término: “ou você a mata ou mata você”. O próprio nome delas é uma metáfora (Astúcia, Angústia e Prudência) por apresentar as questões sobre o comportamento da mulher numa sociedade conservadora e a influência da igreja com seus dogmas religiosos. Assim, leva o público a rir de várias situações onde são usadas máscaras no convívio social. Reprimindo assim as mulheres, não as permitindo ter liberdade de expressão. Isso porque a igreja e a sociedade são apresentadas como fonte opressora do livre arbítrio.

Com direção de Tom Pires,As Bondosas” é uma excelente reflexão entre o religioso e o profano. As três carpideiras velam o corpo da jovem observando todos os presentes (que as ignoram). O desprezo a elas é marcado pelas passagens iniciais nas quais elas referem-se ao café e depois ao bolo de chocolate servido a quem lá estava. Entre a reza inicial “Tenha paciência Tereza....” e a observação e seus comentários “o pai da falecida não derramou uma lágrima”, ocorre o humor da quebra de expectativa como na passagem na qual relatam não olhar no espelho e tocar o corpo por ser considerado pecado. Prudência revela: “Quando fico nua nem me olho no espelho. Fico de braços abertos para não tocar minha pele nua. Nunca me olhei no espelho. Em seguida, Angústia dispara: “E eu que nem espelho tenho”.

Segundo o diretor Tom Pires: “Levantamos muita coisa a respeito do ofício de carpideiras mundo afora, das tradicionais às contemporâneas, mas nosso foco não era o ofício de carpideira, era o ser humano carpideira, o que há de universal nessas três carpideiras”.

A ótima atuação do elenco composto pelos 3 atores pernambucanos e seus respectivos personagens: Sidcley Batista, a Prudência, exerce a liderança sobre as outras duas – representa os valores sociais impostos às mulheres. Seu papel é recriminar e apontar sobre o que seria o certo e o errado como “Por que três vestidos se você só tem um corpo?”, “Ele me cavalgava como um animal”, “o amor é um homem bêbado dentro de nós”, “Colocou maquiagem. Asssim que começa …. para a perdição um passo”. Leandro Mariz, a Astúcia, a questionadora, é a responsável pelo afloramento do desejo de cada uma delas como “Vocês já pecaram alguma vez?”, “ Às vezes, tenho vontade de fazer alguma coisa, vontade de experimentar, saber como é...”, “ Eu queria ser a prostituta”; e Gerson Lobo, a Angústia, oscila entre os valores morais de Prudência e o desejo de liberação de Astúcia. Assim, ela declara: “Deus não é justo... nunca ter sido maculada”, “sempre fecho os olhos quando troco de roupa”, “Miguel me prometeu largar as duas para se casar comigo”.”Eu quero gozar”. Nesse momento, Angústia aparece gritando por Miguel como se estivesse em um ato sexual. Outro momento na qual o riso é inevitável, a plateia…. No final, as três terminam brindando com vinho e dizendo “Brindar um novo dia. Se for diferente já será melhor”.

Ueliton Rocon é professor, ator, autor e diretor teatral. Seus textos já foram encenados em vários estados e em outros países como Chile, Portugal e Angola. Recebeu diversos prêmios como ator, diretor, dramaturgo e cenógrafo. Seus principais trabalhos são As Bondosas, As Anjas, Rosa Escarlate, entre outros. A peça faz parte do projeto Ocupação Porta aberta: de olho no Nordeste.

Está em cartaz no teatro Dulcina, no Centro do RJ, de sexta a domingo, às 19 horas. Vale a pena conferir!!!



Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também