Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Literatura > Literando no teatro

Literando no teatro

Literatura por Renata Barcellos em 2017-11-11 21:13:15

Dia 10 e 11 de novembro, eu, Dalva Frahich e seu esposo Frederico tivemos presentes no evento Primeiro encontro de poetas, escritores e artistas, organizado por Marcia Kanitz, na cidade de Casimiro de Abreu. Na sexta-feira (10/11), às 18 horas, para a abertura, na praça Feliciano Sodré, a bela apresentação da banda do CIEP 459 – Brizolão municipalizado José Bicudo Jardim sob a regência do maestro Celso Cordeiro.

Em seguida, houve declamação de poesia sobre o homenageado Casimiro de Abreu. Na praça, há uma estátua dele. O poeta brasileiro (1837-1860), autor da obra \"Meus Oito Anos\", um dos poemas mais populares da literatura brasileira, pertence à Segunda geração do Romantismo. Enviado para Lisboa, com apenas 16 anos, inicia sua vida literária. É nesse período que o poeta da saudade escreve a maior parte dos poemas de seu único livro \"Primaveras\". Escreve a peça \"Camões e o Jau\", aplaudida no Teatro D. Fernando, em Lisboa. É patrono da cadeira nº 6 da Academia Brasileira de Letras. A poetisa e artista plástica Dalva leu um poema de sua autoria em homenagem a ele. Depois, fomos ao Mix bar onde declamamos poesias de autoria própria. A noite foi muito agradável: ambiente, alimentação e música de boa qualidade.

No dia 11, às 9 horas, na Casa de cultura, localizada na Estação ferroviária de Casimiro de Abreu, fomos recebidos pela simpática diretora do espaço Soraia Cardoso e pela organizadora do evento Marcia Kanitz. Lá, passamos uma manhã muito produtiva. Pudemos conhecer outros artistas e ouvir excelente música com o maestro Arlênio Araujo. Começamos ouvindo boas músicas, conhecendo o lindo espaço (parabéns à diretora pelo zelo à instituição), conhecendo um pouco mais sobre o poeta Casimiro de Abreu, lendo as poesias de GECE Ximenes com quem tive a grata oportunidade de conversar um pouco (amante dos animais, adora leão) e a declamação de poemas e divulgação de projetos.

Para iniciar o evento, a simpática e acolhedora diretora Soraia Cardoso fez a abertura na qual enaltece o engajamento da idealizadora Marcia Kanitz. Informa-nos das atividades culturais ali realizadas: curso de teatro..., apresenta-nos o maestro Arlênio....  Ela está na direção da Casa Cultural desde 2013.

De acordo com ela, a cultura “nossa de todos os dias visa ao acesso a atividades culturais em todos os momentos da vida... constituindo um elemento fundamental da sensibilidade, da expressividade, da convivência e da construção da cidadania”. Quanto ao espaço, ela esclarece que “ a estação ferroviária foi reformada na década de 90 para se tornar um centro cultural da cidade, onde se tem aula de mangá, curso de desenho e costura, aula de teatro, dança de salão, contação de história, exposições, sarau e a famosa feira da Estação realizada no primeiro sábado de cada mês. A casa de cultura Estação  pertence à Fundação cultural”.

Pela ordem de apresentação, pudemos apreciar estes artistas:

 

1-      Marcia Kanitz, da área da Educação Especial, contou-nos sobre seus projetos culturais, a pesquisa sobre a poesia memorial desde o Descobrimento do Brasil e sobre Casimiro de Abreu. Declamou duas poesias: Da serra ao mar  e Sorrindo com o olhar (em homenagem à Soraia, diretora da casa).

2-      Marcos Moura e Alberto Serra divulgaram o Projeto coletivo ponte cultural . Em Apolo II, realiza um trabalho para a comunidade com teatro, cinema e sarau. Segundo Marcos: “Toda trabalho voltado para a cultura é de resistência\" Aproveitem, curtam a página no Facebook!!!

3-      Erick Gouma já divulgou seu filme A colina.  São crônicas do mestre do escudo.
Após uma catástrofe natural e o esgotamento de recursos a tribo dos guerreiros da antiga serpente parte em uma jornada de migração para um novo local seguro e próspero.

4-      Jorge Piri é um excelente artista, sua declamação é impecável. Presenteou-nos com É Deus de Casimiro de Abreu:

Deus
Eu me lembro! eu me lembro! - Era pequeno 
E brincava na praia; o mar bramia 
E, erguendo o dorso altivo, sacudia 
A branca escuma para o céu sereno. 
E eu disse a minha mãe nesse momento: 
“Que dura orquestra! Que furor insano! 
“Que pode haver maior do que o oceano, 
“Ou que seja mais forte do que o vento?!” - 
Minha mãe a sorrir olhou p’r’os céus 
E respondeu: - “Um Ser que nós não vemos 
“É maior do que o mar que nós tememos, 
“Mais forte que o tufão! meu filho, é - Deus!”-

5-      Dalva Fa declamou o poema Amigos ocultos

6-      Fernando Caldéron, cubano, divulgou o 6 Festival Continentes 2017 e o Festival de Gastronomia 2018. Cantou e declamou poesia.

7-      Gracinda Rodrigues Cardoso, artista plástica e poeta declamou Ao cair da tarde.

8-      Simone Martins divulgou o Sarau itinerante na casa de amigos( o próximo será no dia 25 de novembro em Santa Tereza), e Mulheres reais.  Declamou Carta de alforria e Transcendência.

9-      Ivanildo Tristão morou em Angola. Declamou poema Mãe África composto a partir da leitura de Pepetela. Conforme ele, “Não sou um poeta, sou um teimoso”.

10-   Renata Barcellos apresentou-se como professora de Língua Portuguesa e Literatura, pesquisadora do ensino da língua materna e poetisa (declarou como surgiu a escrita literária há um ano e meio). Declamou o poema Tempo de fugacidade.

Eu fitei-te
Vc também, mas nada fez 
O tempo foi passando 
E nós ali paralisados 
Um diante do outro 
Contentando - se em contemplar-nos sem nos declararmos

 

Hoje, perdida no tempo 
Entre a juventude e a maturidade 
Entre a loucura e a sensatez 
Entre ser esposa/mãe e a profissional

 

Não! Não te quero mais!
Amei-te demasiadamente 
Esperei-te longamente 
As marcas do tempo estamparam-se em nós 
Hoje, encontro-me assustada: como o tempo passou?

Como ele não me procurou?....

 

11-   Nilza Martins apresentou-se em tom intimista com a famosa frase “ Se a vida te dá limões, faça uma limonada” para mencionar sua luta contra um melanoma. Declamou o poema Flores.

12-    Marília Santos surpreendeu-nos com o poema Amigo calado, no qual homenageia o travesseiro.

13-   Gece Ximenes declamou o lindo poema Olho nos olhos.

Apresentei aqui uma síntese do que foi realizado este fim de semana na cidade de Casimiro de Abreu sob a corajosa iniciativa de Marcia Kanitz. Digo isso porque, hoje, quem se envolve, divulga e faz cultura é um CORAJOSO. Trata-se da valorização do poeta da saudade e de artistas contemporâneos. Obrigada pela iniciativa e a acolhida!!!

Agradeço também a sempre agradável companhia do casal amigo Dalva e Frederico Frahich. 

Que venham outros EPOARTE!!!!

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também