Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Literatura > À PROCURA DE LIMA BARRETO

À PROCURA DE LIMA BARRETO

Literatura por Renata Barcellos em 2017-11-25 16:57:16

No dia 17 de novembro, às 17:30, a Academia Carioca de Letras apresentou À PROCURA DE LIMA BARRETO para o diálogo Lítero-Teatral baseado na peça “FRAGMENTOS CLAROS DE UM FOLHETIM NEGRO” de autoria do acadêmico SERGIO FONTA. Com a participação do ator Alexandre Rosa Moreno como Lima Barreto e Sergio Fonta homenageando FRANCISCO DE ASSIS BARBOSA, o primeiro biógrafo de Lima Barreto. A atuação do acadêmico e do ator Alexandre Rosa Moreno estava excelente. Prendeu a atenção do público. Fez-nos passear pelo universo do autor da Literatura Brasileira através da sua biografia e de passagens de sua vida.  É um escritor de transição entre o Realismo e o Modernismo. Tive o prazer de ir acompanhada pelos alunos Luca Alves e Luis Felipe, pela ex-aluna Raquel e pelo professor Washington. Todos adoraram a encenação e conhecer os acadêmicos: Ligia Simonato, Zelia Fernandes... 

 

Sérgio Fonta, (RJ, 1950) é escritor, ator...  já trabalhou em mais de vinte espetáculos teatrais, além de inúmeras novelas e séries como:

·         2017 - O Outro Lado do Paraíso - Amaral, filósofo que agride prostitutas

·         2016 - Êta Mundo Bom! - Doutor Dantas

·         2012 - Gabriela - Alfaiate de Ilhéus

·         2007 - Sete Pecados - Delegado Renato (Reprisada na Globo em 2011)

·         2004 - Chocolate com Pimenta - Mestre Lael (Reprisada na Globo em 2006 e 2012)

·         2004 - A Diarista - Psiquiatra

·         1997 - Xica da Silva - Doutor Pedras

·         1995 - Irmãos Coragem- Monsieur Laport

·         1993 - Sonho Meu - Cunha

·         1992 - Felicidade - Médico

·         1988 - Vale Tudo - Ex- alcoólatra

·         1982 - Sétimo Sentido - Jornalista Nelsinho

·         1980 - Coração Alado - Helinho Scala

·         1978 - A Conquista - João

·         1976 - Duas Vidas - Renato

·         1975 - Bravo! - Carlinhos

·         1972 - Selva de Pedra - Tonico

 

Alexandre Rosa Moreno (1969) é ator, apresentador, compositor... Têm  trabalhos em novelas da Rede Globo, Manchete, Record , Futura e Bandeirantes. Ele ganhou prêmios como: O Kikito de ouro, no Festival de Cinema de Gramado, de melhor ator no Filme Radio Favela, Uma onda no ar (2002) e o Prêmio Cesgranrio de Teatro, de melhor ator em musical, pelo espetáculo A Cuíca do Laurindo (2016).

 

 

 

Lima Barreto

 

Nome Completo 

 

Afonso Henriques de Lima Barreto

 

Quem foi

 

Lima Barreto foi um escritor e jornalista brasileiro.

 

Nascimento

 

Lima Barreto nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 13 de maio de 1881.

 

Morte

 

Lima Barreto morreu na cidade do Rio de Janeiro em 1 de novembro de 1922.

 

 

Biografia resumida:

 

Filho de pais pobres, ficou orfão de mãe ainda na infância (quando tinha 6 anos).

 

- Estudo no Colégio Pedro II (curso secundário) e no curso de Engenharia da Escola Politécnica.

 

- Abandonou o curso para trabalhar e sustentar a família. Trabalhou como escrevente coopista na Secretaria de Guerra.

 

- Para aumentar a renda, escrevia textos para jornais cariocas.

 

- Era simpático ao anarquismo e militou na imprensa socialista da época.

 

- Alcoólatra, teve vários problemas relacionados à depressão. Chegou a ser internado algumas vezes com problemas psiquiátricos.

 

- Faleceu aos 41 anos de idade.

 

 

Características e estilo literário:

 

 

Escreveu romances, sátiras, contos, textos jornalísticos e críticas.

 

- Abordou em suas obras as grandes injustiças sociais.

 

- Fez críticas ao regime político da República Velha.

 

- Possuía um estilo literário fora dos padrões da época. Seu estilo era despojado, coloquial e fluente.

 

- É um escritor de transição entre o Realismo e o Modernismo. 

Principais obras:

 

Recordações do escrivão Isaías Caminha (1909)

- Triste fim de Policarpo Quaresma (1915)

- Numa e ninfa (1915)

- Os bruzundangas (1923)

- Clara dos Anjos (1948)

- Diário Íntimo (1953)

 

 

 

Pensamentos:

 

O Brasil não tem povo, tem público”.

“Não é só a morte que iguala a gente. O crime, a doença e a loucura também acabam com as diferenças que a gente inventa”.

“Nós não somos nada nesta vida”.

“Cada louco traz em si o seu mundo e para ele não há mais semelhantes: o que foi antes da loucura é outro muito outro do que ele vem a ser após”.

 

 

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também