Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Cultura > Uma história bonita de se contar

Uma história bonita de se contar

Cultura por Dinorá Couto Cançado em 2018-01-25 08:55:52

A história de sucesso começa a partir de um encontro de duas deficientes visuais e  uma professora aposentada, apaixonada por leituras... 
Com grandes desafios, conduziram com ritmo acelerado a buscar parceiros para concretizar esse sonho.
E, em um dia de maio de 1995, fruto daquele encontro, nasceu a Biblioteca BRAILLE DORINA NOWILL. Hoje, uma instituição respeitada a nível nacional e internacional.
Como todo começo, não é fácil, principalmente, quando se quer fazer o bem e bem feito. E no fazer bem feito, com qualidade, amor e competência que as deficientes visuais  Noeme Rocha e Neuma Míriam se alicerçaram à professora Dinorá Couto Cançado, para chegar ao patamar que hoje se encontra o projeto consolidado com ações e muitas conquistas sociais.
Outro fator determinante para atingir o crescimento e sua consolidação é o caráter da família BRAILLE que investe em ações e serviços em prol do deficiente visual; forma, também, grupos de voluntários, somando esforços capazes de contribuir a efetivação de práticas desenvolvidas, como: aula Braille, apoio pedagógico, atividades culturais de lazer direcionadas e dentre outras, oferecidas, gratuitamente, pela instituição ao longo desses vinte e dois anos.
Todas essas iniciativas contribuem para o protagonismo da inclusão social, fazendo com que o deficiente visual expresse suas percepções sobre si e sobre o mundo inclusivo, melhorando o processo de sua inserção na sociedade. Diz ser o principal legado desses projetos e por meio desse objetivo, encontrou apoio em duas instituições: Secretaria de Estado de Educação do DF-Distrito Federal e da Secretaria de Estado de Cultura do DF-Distrito Federal. Sem medir esforços, souberam apoiar essa causa tão nobre (A INCLUSÃO SOCIAL). Ambas sensíveis, reforçaram  a parceria concretizando muitas vitórias, conforme documentos comprobatórios e inúmeras reportagens nas mídias.
Resumindo,  é importante afirmar:
“ A vida é uma arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”
Essa frase da música “SAMBA DE BENÇÃO”, escrita e cantada pelo grande poeta Vinícius de Morais, espelha, com exatidão, o que representa para a BIBLIOTECA BRAILLE DORINA NOVIL os muitos encontros que imprimem a 22ª edição da sua existência no cenário diversificado de aquisição de projetos, prêmios, títulos, da participação ativa dos deficientes visuais, para o mundo da inclusão social com práticas inovadoras.
     Sem a renovação de ideias,
     Sem novos modos de fazer,
     Sem novas lideranças,
     Toda instituição caduca e morre.

É partindo dessa premissa que a Biblioteca Braille Dorina Novil, sempre atenta, nos seus 22 anos de criação, se veste de muitas conquistas, fruto de um trabalho coletivo, com projetos na perspectiva do novo, uma instituição que trabalha com cidadania, elevando a autoestima de seus frequentadores, que tem o cuidado com o investimento no pedagógico, incentivo direto para a prática das leituras e produção de textos, com oficinas direcionadas essencialmente. Fala de sentimentos, fazendo com que os deficientes visuais alcancem notoriedade dentro e fora dela, nas mais diferentes modalidades. 
É muito gratificante perceber que um projeto que nasceu pelas mãos de duas deficientes visuais, Noeme Rocha e Neuma Miriam e de uma professora apaixonada por leituras, Dinorá Couto Cançado, que, incansavelmente, vem ultrapassando barreiras, juntas, também, ganhando destaques pelas conquistas e o despertar para o conhecimento por meio do incentivo à leitura. Em parceria com a ACADEMIA TAGUATINGUENSE DE LETRAS (desde os primórdios) e outros parceiros envolvidos (nacionais e internacionais), idealiza mais um desafio, um ousado projeto, voltado puramente para a leitura e produção de texto, uma academia inclusiva e INÉDITA.  Um sonho concretizado ressignificando o livro e a leitura do especial que tem dificuldades de adentrar nas letras no mundo obscuro de uma sociedade preconceituosa tolhendo a possibilidade na sua essência para a transformação cultural do ser humano diferente.
O projeto AIAB - ACADEMIA INCLUSIVA DE AUTORES BRASILIENSES é um novo estilo, inédito na inclusão social, da maior importância entre tantos outros. Mas foi o projeto LUZ & AUTOR EM BRAILLE que deu à citada biblioteca o formato pelo qual a mesma ficou conhecida. A professora Dinorá Couto Cançado é responsável por esse instrumento,  define como estilo desse projeto em parceria com muitos outros escritores brasilienses e escritores deficientes visuais imprimindo sua marca singular, o prazer de ler. Uma característica que lhe rendeu muitas criações, só o seu toque singular foi capaz de levar para o mundo com sucesso o PROJETO BRASÍLIA, CAPITAL  DAS LEITURAS. Em 1995,  naquele lugar mágico como sintetiza os deficientes visuais, só alguém assim, ousada, enérgica, também sensível, acima de tudo visionária, transformaria um espaço simples, a ecoar no Brasil e no mundo.
E essa ciranda de criações vem avançando, protagonizando esse legado social que é a Biblioteca Braille. Recriando um novo enfrentamento de inclusão social, alvo de todos os esforços desta instituição.
Esse foi o maior bem realizado nessas duas décadas, não poderia deixar de acordar que, apesar de desafiador, o projeto BBDN teve muitas conquistas, a principal delas é a interação do cidadão na sociedade e o fazer diferente por meio do seu próprio eu, na busca com menos preconceito, com mais amor. Transformação de um ser humano que outrora vivia à margem da sociedade. Isso é o diferencial de uma instituição que teve a felicidade de encontrar a mão e as ideias de uma professora de escola pública que viveu essa experiência em bibliotecas pobres, sem muitos recursos. Com garra e determinação, soube mais uma vez ressignificar e dar um novo conceito à inclusão social. Isso acontece, dia a dia na Biblioteca Braille a olho nu, conforme dezenas de matérias  nessa caminhada educacional/cultural/social.
Considerando ainda que uma instituição depois de duas décadas de trabalho, conforme registro nos anais da imprensa falada e escrita, redes sociais, como também  prêmios e reconhecimentos mundo afora asseguram que a professora Dinorá Couto Cançado  traz o brilho do trabalho que envolvem tantas cabeças pensantes, com parceiros  sérios, principalmente os voluntários que vivem  a prática das ações. Inclusive, a voluntária suma referida foi a primeira a abraçar essa causa, atuando pelo bem e faz acontecer.
Falar de Biblioteca Braille é, também, falar em DINORÁ, principal protagonista de uma história bonita de se contar... Referencial em Brasília, Brasil e mundo. Buscando grandes desafios, acreditando na transformação da inclusão social, conforme provas vivas e concretas.
                                                 Por Solange Silveira Passos Crisóstomo
                                                                             24/1/2017

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também