Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Cultura > Segunda edição do Rio Fest judaico

Segunda edição do Rio Fest judaico

Cultura por Renata Barcellos em 2018-08-07 13:54:01


O dia de hoje jamais acontecerá novamente. Mas uma boa ação pode fazê-lo durar para sempre.”

O Rio Fest foi realizado pela segunda vez com objetivo de apresentar a rica cultura judaica a toda a população da cidade. A comemoração foi realizada na Praça Nossa Senhora da Paz, no dia 5 de agosto, com mais de 70 expositores com barracas de comidas típicas e artigos tradicionais das culturas judaicas e israelenses, exposição de fotografias de Jacob, espaço para as crianças (com atividades variadas, dentre elas: pintura) e para os Pets (ah, este amei eu particular: vestuário, alimentação...), tenda de palestras e palco principal (com boas apresentações musicais de gêneros variados) para comemorar os 70 anos do Estado de Israel.

Cabe ressaltar que o evento foi incluído no calendário oficial das datas comemorativas do município do Rio de Janeiro. Trata-se de uma lei de autoria de Marcelo Arar. Segundo o vereador, dada à importância do povo para a nossa cultura: \"No total, nosso País recebeu 100 mil judeus, dos quais 30 mil no Rio de Janeiro, que ajudaram a construir a sociedade carioca\". Dentre as atividades apresentadas, no palco principal, a apresentação de um coral “ tive o prazer de ser um dos primeiros a presenciar a estreia do Coral da Escola Municipal Aleksander Henryk Laks, cujo nome foi escolhido para homenagear um sobrevivente do holocausto conhecido mundialmente. O nome da unidade escolar municipal no bairro de Jacarepaguá é uma indicação minha parlamentar de minha autoria”. Já a diretora da unidade escolar, Fernanda Barcellos, relatou-nos que ”o coral da escola foi uma ideia do vereador após ver nossos alunos se apresentando brilhantemente sem muito ensaio e sem técnica na festa de um ano da escola em 2017. OE, por ocasião do Fest Rio, nos convidou para abrirmos o evento de sua autoria. A participação dos alunos nesta atividade possibilitou muitos com baixa autoestima e alguns mau comportamento, após a inserção no coral e especialmente após a apresentação de ontem, os alunos estão muito mais motivados. Com isso, posso dizer que dirigir a Aleksander é uma grande responsabilidade, pois temos em turno único das 7:30 às 14:30. 1000 alunos que trabalhamos além dos conteúdos curriculares obrigatórios, os de preparo para a vida, profissões, valores éticos e morais, base da filosofia de vida do patrono que passou a vida divulgando a paz e a igualdade independente de raça, padrão de vida e credo. O fato de ser um sobrevivente do Holocausto e ter se dedicado a divulgar esse episódio frisando que, apesar de tudo, devemos superar nossas tristezas e dificuldades”.

Logo que cheguei, cedo, fiquei encantada com a organização e com o que com certeza viria e veio: muitas atividades de excelente qualidade. Vale destacar a simpatia, a organização e a atenção de toda a equipe. Ao longo do dia, muita gente foi conferir. As duas primeiras apresentações foram: no palco principal, o belo coral da Escola Municipal Aleksander Henryk Laks. De acordo com a professora responsável, Alessandra Regina Pires Coelho de Souza, responsável pela disciplina eletiva desde o primeiro semestre de 2017, propôs um coral por gostar de cantar. O professor Isac James Chiaratti integra o projeto com a parte musical. Os educadores selecionam músicas com mensagens de paz, amor... Parabéns aos educadores e aos alunos participantes cujo comportamento vale registrar: adequado até no retorno à escola (voltei com eles)!! Concomitante, na tenda, a primeira palestra foi com Melina Guelman intitulada “Israel, o país das Start Ups”. Ela é idealizadora do aplictivo Menu for Tourist. Enquanto participante do programa StarTau, do Centro de Empreendedorismo da Universidade de Tel Aviv, em Israel, relatou-nos sua experiencia e explicou-nos como os jovens até 30 anos podem elaborar um projeto – estruturá-lo lá e voltar ao Brasil. São 45 dias na faculdade de Tel Aviv – com o objetivo de aproximar a cultura israelense e cria tecnologia. Retorno do investimento – virarem membro – devolverem para a comunidade judaica o investimento.

Em seguida, fui andar por toda a praça. Dentre os expositores, destaco: a simpatia das senhoras da Sociedade beneficente das damas israelitas do Rio de Janeiro, centro de reabilitação. O pessoal atencioso da Residência Assistida Israelita. A instituição oferece serviços como psicólogos, cuidadores, oficinas..., em Vila Isabel. O Centro cultural esportivo israelita Adolpho Bloch, criado há 25 anos, oferece aula de teatro para crianças a partir dos 5 anos, dança israelita, movimentos juvenis e Chazit., localizado na Barra da Tijuca. E o Liessin, escola judaica trilingue do Fundamental ao Médio.

Cabe ressaltar também que tive o privilégio de conversar com o presidente da FIERJ (Federação Israelita do Estado do RJ) e com o organizador. Segundo este, Renato Aizennan, o evento tem por objetivo apresentar a comunidade judaica “para o mundo. Como é muito fechada, muitas vezes, gera preconceito. Ano passado só teve expositores da comunidade judaica. Este ano, é aberto a fim de interagir a comunidade maior”. Já conforme o presidente da Federação Israelita do Estado do RJ, Herry Rosenberg, nesta segunda edição, “dobrou-se o número de barracas para integrar a comunidade maior. O objetivo é sair do dia a dia da comunidade até hoje fechada. Quebrar o tabu de ser uma comunidade fechada”.

Outro destaque foi a bela exposição de fotografias de Pablo Jacob com diversas imagens de Israel como Orla de Tel Viv –vista de Jafra e Deserto de Negev. Ele relatou-nos que passou uma semana intensa. Tirou 4 mil fotos. A curadoria selecionou 22 para demonstrar a diversidade de Israel. Para o fotógrafo, o brasileiro “conhece pouco de Israel. País lindíssimo, sensacional, com segurança. País de muitos contrastes (deserto árido e Tel Aviv – RJ quase ). Jerusalém é emocionante (pela questão religiosa e histórica)”.

O que relatar mais??? Que venha a terceira edição da qual almejo participar como colaboradora na parte da Literatura judaica e israelense!!!


Vale conferir também:

Festival de Cinema Judaico do Rio de Janeiro

Informações: 2236-4367


Local: Estação NET - Shopping da Gávea
Shopping da Gávea, 4o. piso - R. Marquês de São Vicente, 52
Todas sessões serão realizadas na Sala 5 com legendagem em português.

Entradas somente nas instituições e FIERJ.
Ingressos: R$ 35,00 16 a 22 de agosto de 2018

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também