Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Literatura > Terceiro dia

Terceiro dia

Literatura por Renata Barcellos em 2018-12-09 08:03:22


 Quarta-feira, depois de participar da última reunião do presente ano do Círculo Literário do Clube Naval, fui assistir à surpreendente peça Terceiro dia. Trata-se de um monólogo sobre uma parte da fase da formação acadêmica de Drummond no qual ele estuda no Colégio Anchieta e de lá foi expulso por “insubordinação mental”, após discutir com um professor. Com a bela atuação de Conceição Rios (artista multimídia, cantora, atriz e poetisa), muito simpática, antes de iniciar o monólogo, ela já começa a interagir com a plateia a fim de esclarecer a escolha do poeta e o teor do enredo. Quanto a isso, ela nos justifica: “é a alma brasileira” e “o título é um texto do “bruxo do Cosme Velho”.

Nesse momento, as surpresas iniciam. Por exemplo, ela revela-nos ser poetisa e conta-nos a forma como “adentrou o mundo da poesia” e vive mergulhada nela. Citou-nos até situações cotidianas de quando interpelada sobre a forma de pagamento: débito ou cartão. Imediatamente, vem-lhe o célebre poema: “E agora, José?”.

Para elaboração do texto, a atriz realizou uma pesquisa minusiosa sobre a obra de Drummond, até ter conhecimento de poemas retratando dois anos tão importantes na vida do poeta. Ela uni-se ao diretor Márcio Azevedo, e o resultado foi este ao qual assistimos. Em Itabira, 1918, é imposto ao jovem Carlos Drummond de Andrade, aos 14 anos, seus pais severos e abastados, que terminem seus estudos num tradicional colégio interno em Nova Friburgo, Rio de Janeiro. Nos dois anos seguintes, Drummond conhece a dor da solidão, os dissabores da perda, a saudade de sua casa, bem como o colo de sua mãe.  Nesse período de dois anos, ele descobre o prazer pelos livros, vive a primeira paixão...  Encontra escape em suas poesias, onde expurga todas as suas dores, dúvidas e descobertas.

 

 

                Um pouco de Carlos Drummond de Andrade (31 de Outubro de 1902 -

 17 de Agosto de 1987)

 

Cronista, jornalista, funcionário público e, principalmente, poeta. O mineiro morou no Rio de Janeiro por muitos anos, mas a terra natal, Itabira, sempre esteve presente nos seus versos. Um dos maiores nomes da literatura brasileira tem como características versos livres e linguagem objetiva. O poeta ainda trata da questão da existência, do individualismo e do fazer poético. Faz parte da segunda fase do Modernismo brasileiro, período marcado pela consolidação do movimento literário.

Segundo Bosi, Drummond possui uma percepção precisa do hiato entre as convenções e a realidade, entre o parecer e o ser das coisas e dos indivíduos, o que se transforma em objeto privilegiado do humor, seu traço principal. O conjunto de sua obra poética é complexo e vasto.

 

 

Pensamentos e fragmentos de poemas de Drummond

 

 

“Palavras, palavras, se me desafias, aceito o combate".

 

“Há livros escritos para evitar espaços vazios na estante”.

 

"Se você conseguir, em pensamento, sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse ali do seu lado: é o amor que chegou na sua vida"

 

 

“Gastei uma hora pensando um verso
que a pena não quer escrever.
No entanto ele está cá dentro
inquieto, vivo.
Ele está cá dentro
e não quer sair.
Mas a poesia deste momento
inunda minha vida inteira”.

 

 

“Penetra surdamente no reino das palavras. 
Lá estão os poemas que esperam ser escritos. 
(...)
Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres:
"Trouxeste a chave?"

 

Ficha técnica

Teatro Glauce Rocha, no Centro do Rio

A temporada vai até o dia 13 de dezembro, quartas e quintas-feiras, às 19h. 

Texto:  Carlos Drummond de Andrade

Seleção Poética:  Conceição Rios

Elenco:  Conceição Rios

Direção:  Márcio Azevedo

Iluminação:  Bathista Freire

Cenário:  José Carlos Ferreira

Figurino:  Anderson Ferreira

Assessoria de Imprensa:  Julyana Caldas – JC Assessoria

Design Gráfico:  Gabriela Cima

Produção:  Rafael Carretero e Adriana Gusmão

Realização:  7 Marias Produções

Fotos: Nanah Garcia

 

 

 

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também