Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Literatura > Lembrando Beki Klabin

Lembrando Beki Klabin

Literatura por em 2015-02-25 13:22:43
O escritor e jornalista Thiago de Menezes, que divide atividades consulares com a presidência da “Federação das Academias de Letras e Artes de São Paulo – FALASP” está reunindo depoimentos para uma homenagem à sua saudosa amiga, a excêntrica socialite Beki Klabin, que muito sucesso fez nas décadas de 70 e 80. Thiago, que acabou de lançar uma biografia de Elvira Pagã (polêmica vedete que foi a primeira ‘Rainha do Carnaval Carioca’), já homenageou Beki em outras oportunidades, como em seu livro “Hip! Hip! Rio”, lançado em 1997 pela Editora Komedi, que tem um capítulo inteiro dedicado à socialite e suas irreverências, assim como no seu premiado poema “Impulso do Pássaro Liberto da Noite”, que a dramaturga Leila Míccolis incluiu no livro “Literatura Século XXI” , vol. I, lançado pela Editora Blocos em 1998.
No ano de 1971 Beki Klabin surgia com uma luxuosa fantasia na Avenida Rio Branco, centro do Rio de Janeiro, como destaque da Escola de Samba Portela, numa época em que o high society e o Carnaval não compartilhavam a mesma alegria. No ano seguinte, a Portela inaugurou o “Portelão” no Mourisco, em Botafogo, local de ensaios que serviu para aproximar os públicos. É inegável que Beki abriu caminho para outras socialites, como Linda Conde, a se apaixonarem pelo carnaval do Rio, que teve a grã fina Regina Esbernard como percursora. Nos anos 70, Beki ganhou capas de revistas e, em entrevista à Revista “Fatos & Fotos” de fevereiro de 1974, declarou: “Não tenho culpa de viver na Zona Sul e gostar de samba. Como a Zona Norte não tem culpa de gostar de iê- iê- iê”. Ela, que inspirou a personagem de Tonia Correro na novela global ‘Água Viva’, de Gilberto Braga, adorava tanto as cores da avenida que chegou a pedir para o conhecido decorador Luiz Fernando Redó, seu amigo, que repaginasse sua cobertura de 400 metros quadrados com os tons da escola, azul e branco.
“Nessa época de carnaval, lembrar de Beki Klabin, num país sem memória, é uma grande felicidade!”, afirmou Menezes, que também é colunista da Revista ABSOLUTA, de Campinas, SP.

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também