Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Geral > A história do Mercado Central de Belo Horizonte

A história do Mercado Central de Belo Horizonte

Geral por em 2014-09-07 18:07:26
                É comprazer que o Mercado Central e seus comerciantes recebem interessados em conhecer um pouco de sua trajetória e mostram como este centro de compras se tornou referência na cidade, pela variedade e qualidade de seus produtos, pelo atendimento personalizado e pelo espaço democrático,  sempre aberto a todos. 

                O Mercado Central completa neste local,  85 anos. Foi regulamentado em março de 1900, pelo então Presidente do Estado de Minas  Gerais e inaugurado em 6 de outubro do mesmo ano, ainda como Mercado Municipal. 

                O antigo Mercado situava-se na Av. Afonso Pena, onde hoje  é a Rodoviária  da cidade e  está em atividade  há 114 anos. Começou a funcionar 2 anos depois da fundação da cidade de Belo Horizonte

                Com o crescimento da cidade ele e ficou pequeno e foi transferido para o atual local em 1929.

                Ficou marcada em sua história a luta dos comerciantes que nele atuaram por mais de um século, entre mudanças, regulações pelo poder público e outras dificuldades.

                A Prefeitura, alegando dificuldades financeiras resolveu vender o Mercado à iniciativa privada em 1963. Neste momento os comerciantes do Mercado Municipal foram à luta para manter seus negócios. Constituíram Cooperativas, se mobilizaram, foram às ruas conclamando a  população, fizeram um leilão e em  30 de janeiro de 1964 arremataram o Mercado Municipal.

                Desde então os comerciantes continuam a travar uma história de lutas e de conquistas.

                Hoje o Mercado Central é um dos pontos turísticos mais visitados da cidade, onde se encontra de tudo o que se imagina e com excelência de atendimento.

                É por isso que o Mercado Central foi ponto de referência nesta Copa do Mundo, nenhum turista deixou de visitar o Mercado, e de lá saiam elogiando, aprovando a comida, os petiscos, a cervejinha gelada, doces, queijos e o atendimento carinhoso dos mineiros.

                A variedade de produtos  vai  desde uma peça de cristal  a uma panela de barro, roupas, Bancos, farmácias, salões de beleza, assim como a venda de animais,  aves e peixes.

                O Jornal Sem Fronteiras parabeniza os 85 anos do Mercado Central e os belo-horizontinos que tanto dele se orgulham!                                                                                                                       

                                                                                                                                             Lucinha Lima

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também