Rede Mídia de Comunicação | Rede Sem Fronteiras

Você está em: Início > Notícias > Cultura > "O Pequeno Príncipe" nos cinemas em animação e grande estilo

"O Pequeno Príncipe" nos cinemas em animação e grande estilo

Cultura por Rogério Araujo (ROFA) em 2015-08-19 21:44:42

                

O conto filosófico "O Pequeno Príncipe", de Saint-Exupéry, está nos cinemas brasileiros, depois de já ter sido exibido no Anima Mundi, agora na forma de uma animação que traduz a visão particular do diretor Mark Osborne, preservando, no entanto, sua mensagem universal.

Depois de muito refletir, o cineasta americano acabou por encontrar a solução para adaptar ao cinema este ícone da literatura, um dos livros mais traduzidos no mundo, sem trair a obra original.

Ele inventa uma história ao redor do conto e decide que o aviador sobrevive para contar sua história. Já um senhor de idade, ele passa seu tempo a observar as estrelas com seu telescópio. Uma noite, percebe que uma menina, sua pequena vizinha, estuda em seu quarto e a envia um avião de papel no qual escreve as primeiras linhas de uma história.

A obra original de Saint-Exupéry é "difícil de adaptar, ela é íntima e frágil e a inteligência de Mark Osborne foi inserir o romance em uma história mais ampla", explicou Dmitri Rassam, o coprodutor francês do filme com Anton Soumache.

Curiosa e estudiosa, a menina se esforça para responder às expectativas de sua mãe, mas está inquieta com a ideia de crescer. Uma comovente amizade nasce entre ela e o aviador que, a cada dia, conta um novo episódio da vida do Pequeno Príncipe, este jovem menino loiro de echarpe ao vento que ele encontrou há muito tempo no deserto quando seu avião quebrou.

Quase 250 pessoas trabalharam no filme para o qual foram utilizadas duas técnicas de animação: as imagens em 3D produzidas por computação gráfica e "stop motion", onde pequenas figuras de papel são filmadas e animadas quadro a quadro.

Uma técnica mais tradicional que permite permanecer fiel ao texto de Saint-Exupery e próximo de seu desenho, segundo os produtores do filme.

Anteriormente, a história teve uma clássica versão com atores de carne e osso dirigida por Stanley Donen, em 1974, e que contou com nomes como Bob Fosse, vivendo a cobra, e Gene Wilder, no papel da raposa.

Grandes atores concordaram em emprestar suas vozes aos diferentes personagens nas versões em inglês e francês do filme, como Jeff Bridges, Benicio del Toro, Marion Cotillard (a Rosa em ambos os idiomas), Vincent Cassel (Raposa) e André Dussollier que interpreta o aviador.

No Brasil, Marcos Caruso dá voz ao aviador e Larissa Manoela à menina.

"Esta é uma tremenda alegoria sobre nossa infância e o desejo de que ela não desapareça", explica André Dussolier

Deixe seu comentário, ele é muito importante para nós

* Seus dados não serão exibidos a terceiros.

Publicidade

Veja também